O governador Romeu Zema garantiu que a imunização contra a Covid-19 estará disponível a todos os moradores do território mineiro. “Fica aqui o meu compromisso de que a vacina chegará a quem quiser se vacinar”, afirmou o chefe do Executivo Estadual, que esteve nesta quarta-feira (16) no lançamento do Plano Nacional de Vacinação contra a Covid-19, feito pelo presidente Jair Bolsonaro, em Brasília.

“O governo federal irá fornecer para todos os estados e caberá aos estados fazer a distribuição das mesmas. A distribuição será centralizada no governo federal”, afirmou Zema, acrescentando que as datas do cronograma serão divulgadas posteriormente.

Zema afirmou à imprensa, após a solenidade, que Minas está preparada para executar o imunização. O Estado já adquiriu 50 milhões de seringas e 617 câmaras refrigeradas para armazenamento dos imunizantes. Esta é uma das ações do Plano de Contingenciamento para Vacinação contra a Covid-19, elaborado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG).

“Há três meses, Minas tem se preparado. Já adquirimos todo o material necessário e montamos a logística. Quando a vacina chegar, estaremos preparados para que a mesma seja distribuída com a maior agilidade possível”, garantiu Zema.
 
CAMPANHA
Durante o evento realizado em Brasília, o Ministério da Saúde anunciou que intensificaria, a partir de ontem, a divulgação de informações sobre o processo de produção, aprovação, escolha e distribuição de vacinas a serem utilizadas na campanha de imunização contra o novo coronavírus. O objetivo é tranquilizar a população a respeito da eficácia e segurança de qualquer imunizante que a Agência Nacional Vigilância Sanitária (Anvisa) venha a aprovar.

“Estamos começando hoje uma campanha de comunicação com duas fases”, explicou o secretário nacional de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros. A primeira fase tem o objetivo de esclarecer a população sobre a importância da imunização, reforçando que as autoridades sanitárias estão tomando todas as medidas necessárias para garantir a segurança dos brasileiros que receberem a vacina.

“Já a segunda fase ocorrerá efetivamente durante a vacinação, e servirá para convocarmos os grupos que serão vacinados a comparecerem aos postos de vacinação”, acrescentou o secretário.
 
OBRIGATORIEDADE
O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, ressaltou que, no que depender da pasta, a vacinação não será obrigatória. “Não haverá obrigatoriedade por parte do governo federal em hipótese alguma, e sim campanhas que apresentem a todos o melhor a ser feito. A garantia (de eficácia e segurança) é o que vai fazer com que as pessoas sejam voluntárias”, ponderou o ministro.

Pazuello garantiu que a capilaridade do Sistema Único de Saúde (SUS) e a estrutura do Programa Nacional de Imunização dão ao governo federal condições de distribuir as vacinas para os estados em um prazo de cinco dias após receber as primeiras doses.

*Com Agência Brasil