Cidades norte-mineiras foram palco, nesta semana, de encontros para discutir e criar estratégias de fomento ao turismo regional. Com a trégua dada pela pandemia do novo coronavírus, é hora de retomar projetos e iniciativas que coloquem os pontos turísticos da região na rota dos visitantes.

E são vários os atrativos do semiárido mineiro: desde parques que oferecem trilhas e muitas belezas naturais a cidades com riqueza histórica e cultural. Sem falar nas comidas típicas.

A equipe da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) percorreu algumas cidades para apresentar iniciativas de retomada da atividade e de municipalização da cultura no Norte de Minas.

Na quarta-feira, a reunião foi realizada em Januária, com a participação de prefeitos e secretários de Cultura e Turismo de 14 municípios que integram a Instância de Governança Regional (IGR) Circuito Turístico Velho Chico.

O evento foi no Parque Nacional Cavernas do Peruaçu, que fica no território dos municípios de São João das Missões, Itacarambi e Januária, e é gerenciado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

O presidente da IGR Circuito Turístico Velho Chico e coordenador do Departamento de Turismo da Prefeitura de Mirabela, Adalto Aquino, reforça que a iniciativa é importante para o fortalecimento de laços e para a discussão de estratégias para o desenvolvimento dos produtos turísticos da região.

“Essa reunião é espaço para construção de soluções. Há alguns anos tentamos consolidar o Parque do Peruaçu no turismo nacional e estruturar o processo para o pleito, junto à Unesco, a Patrimônio da Humanidade. Precisamos de pessoas e ações que transformem nossas potencialidades em produtos para o desenvolvimento sustentável do turismo local e para a geração de renda e emprego”, destaca.

Na quinta-feira (30), os representantes da pasta se reuniram com o Sebrae e com expoentes culturais da região de Montes Claros, além de gestores municipais, secretários e integrantes do trade turístico da IGR Sertão das Gerais. 

Nesta sexta-feira (1), foi a vez de levar os debates a Grão Mogol, com encontros para tratar dos destinos do Circuito Turístico Lago de Irapé.  

REVIVA TURISMO  
A equipe da secretaria apresentou, nos encontros, os programas estruturantes da Secult voltados à retomada e ao crescimento do turismo. As principais diretrizes e estratégias do edital Reviva Turismo, que vai investir R$ 10 milhões em 60 projetos para promover o destino Minas Gerais, são biossegurança, estruturação, capacitação e marketing.

“Turismo é fator de desenvolvimento econômico, cultural e social. Atuamos dentro das principais tendências do setor no momento atual, que são o ecoturismo, o turismo de natureza, rural, de experiência, além do nosso principal ativo, que é a mineiridade. Temos que celebrar e aproveitar essa mineiridade para alavancar o setor, que é uma indústria limpa, criativa e tem enorme potencial”, destaca a subsecretária de Turismo da Secult, Milena Pedrosa.

Recurso para o interior
Também foi apresentado aos gestores norte-mineiros o Plano Descentra Cultura Minas Gerais, cujo objetivo é democratizar o acesso aos bens e serviços da cadeia produtiva da cultura, com 30 projetos para todo o Estado. “Nosso objetivo é ampliar a distribuição de recursos para o interior. Propomos também que a cultura popular seja beneficiada de forma especial, com a própria ação recebendo recursos, a partir de um amplo credenciamento de iniciativas populares, porque, muitas vezes, as comunidades não têm condições ideais para participar de editais e apresentar projetos”, explica o subsecretário de Estado de Cultura, Maurício Canguçu.

*Com Agência Minas