Como medida para tentar amenizar os impactos econômicos da pandemia, 7 milhões de clientes residenciais da Cemig não terão reajuste das contas de energia elétrica neste ano. O anúncio foi feito nesta quinta-feira, pelo governador de Minas, Romeu Zema. 

A decisão só foi possível, segundo o governo do Estado, porque a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) acatou pedido da Cemig para devolver cerca de R$ 1,5 bilhão a clientes de sua área de concessão. 

“Pelo segundo ano consecutivo, a Cemig não irá reajustar a conta de energia dos consumidores residenciais. É uma ajuda que o governo de Minas e a empresa dão aos mineiros neste, momento de pandemia, mostrando que estamos fazendo de tudo para amenizar o sofrimento daqueles que mais precisam”, disse o governador.
 
DEVOLUÇÃO
Assim como no ano passado, a Cemig submeteu à Aneel proposta de antecipação da devolução aos consumidores da área de concessão da Cemig D. O valor se refere a parte dos recursos levantados judicialmente em função do trânsito em julgado da ação que questionou a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS-Pasep/Cofins das faturas de energia.

Em 2020, os clientes residenciais – atendidos em baixa tensão ¬ – tiveram uma redução média de 1,68% nas tarifas de energia, quando foram devolvidos R$ 714,4 milhões. 

Dessa forma, frisa o governo, se não fosse a devolução dos recursos aos clientes – solicitado pela Cemig –, o reajuste tarifário deveria seguir o de outras distribuidoras do país, que superaram a casa dos dois dígitos em 2021. O reajuste médio, que considera todas as classes de consumo, é de 1,28%, que é bem menor do que o das outras distribuidoras em 2021.
 
AÇÕES
Atualmente, está em vigor uma Campanha de Negociação de Débitos, que oferece aos clientes residenciais e comerciais de baixa tensão a oportunidade de dividir em até 12 vezes suas contas em atraso, sem juros, usando o cartão de crédito. 

Para clientes da categoria de Tarifa Social de Energia Elétrica, o parcelamento pode ser feito em até 24 vezes, também sem juros. (Com Agência Minas) 

Pelo 2º ano consecutivo, Cemig anuncia medida para amenizar impactos econômicos da pandemia sobre orçamento do consumidor residencial

 

Baixa renda não terá corte até 30 de junho

Em outra iniciativa, a Cemig suspendeu o corte de energia por inadimplência para os clientes classificados como baixa renda, em situação de inadimplência, até o dia 30 de junho. A companhia tem mais de 900 mil famílias cadastradas nessa categoria.

O gerente de Tarifas da Cemig, Giordano de Pinho Matos, alerta que, mesmo com a boa notícia, os clientes precisam usar a energia de maneira consciente e evitar o desperdício, uma vez que os reservatórios brasileiros continuam com níveis bem abaixo do normal para esta época.

Matos destaca ainda que a Cemig Distribuição é a empresa do Grupo Cemig que atende diretamente a cerca de 8,7 milhões de clientes, e que o processo de reajuste trata apenas da empresa de distribuição, não englobando usinas, linhas e subestações de transmissão ou outras atividades do Grupo Cemig.