Um estudo mineiro busca viabilizar formas mais nutritivas e econômicas de processar e armazenar o milho nas fazendas para que seja usado na alimentação do gado leiteiro.

A pesquisa realizada pela Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), em parceria com o professor da Universidade Federal de Lavras (Ufla), Marcos Neves Pereira, aponta a silagem de milho reidratado como uma tecnologia inovadora de conservação do grão moído, por meio da ensilagem, para ser utilizado em dietas para vacas leiteiras.

O grão de milho é o principal cereal energético utilizado em dietas para vacas leiteiras no Brasil. Porém, o milho cultivado em território nacional, diferentemente de outros países, possui o endosperma duro (vítreo), o que dificulta a digestão por parte do rebanho. 

A hidratação e a ensilagem do grão de milho maduro podem facilitar a digestão do ingrediente.

O processo consiste basicamente na reidratação do grão de milho moído, seguido por conservação na forma de silagem. Segundo a pesquisadora da Epamig, Renata Apocalypse, a silagem de milho reidratado é uma forma barata de armazenamento do produto.

Ela destaca, também, que o produtor pode comprar milho quando o preço estiver mais baixo. Além disso, a estocagem do material nas fazendas dispensa os altos custos com galpões ou silos de terceiros e elimina as perdas por ataque de pragas, como carunchos.

ALIMENTAÇÃO DO REBANHO
Estudos com silagem de milho reidratado oferecida a animais especializados, como vacas holandesas geneticamente melhoradas para produção de leite, mostraram eficiência da dieta. O aumento da digestibilidade do milho que ocorre durante o processo permite a mesma produção de leite com o custo alimentar mais baixo. 

“A adoção de silagem de milho reidratado em regiões brasileiras produtoras de milho é ainda mais fácil, pois não está presa à janela estreita de colheita, que é o caso da silagem de milho úmido, um alimento similar. Ela pode ser realizada em qualquer época, mas, preferencialmente, quando o preço está vantajoso. Basta deixar o milho secar completamente para depois colher, reidratar e ensilar. Com isso, o produtor não precisa mexer com paiol ou pagar silo graneleiro. Ele mesmo faz a silagem na propriedade sem ter que utilizar defensivos tóxicos, sem ter problemas com pragas e roedores ou gastos com estocagem do milho em silos comerciais”, explica Renata Apocalypse.

*Com Agência Minas