Produtores mineiros de leite e seus derivados têm, a partir desta terça-feira (20), a oportunidade de se apresentarem a importadores. O governo de Minas, por meio das secretarias de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e de Desenvolvimento Econômico (Sede), promove o primeiro dia do seminário on-line “Oportunidades comerciais internacionais para a indústria láctea de Minas Gerais”.

Feito em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) e com o Sindicato da Indústria de Laticínios de Minas Gerais (Silemg), o evento vai reunir representantes de indústrias, cooperativas, associações e agroindústrias com o objetivo de apresentar o segmento lácteo mineiro a novos mercados internacionais. A transmissão será pelo canal da Seapa no YouTube.

Participam desta rodada adidos agrícolas e o setor de promoção comercial das embaixadas brasileiras de Chile, Egito, México e Peru, além de representantes do setor importador destes países, cujos mercados estão abertos à importação de lácteos do Brasil e já possuem protocolos estabelecidos e acordos assinados pelo governo federal.

Segundo o diretor de Promoção de Exportações da Sede, Marcello Vinícius de Oliveira Faria de Araújo, a seleção dos países levou em conta o fato de serem mercados abertos para os produtos brasileiros, mas que são pouco explorados pela indústria estadual de lácteos. 

“O evento busca corrigir essa assimetria que existe no conhecimento das indústrias sobre potenciais mercados que são estratégicos, de modo a aproveitarmos as lacunas de oportunidades comerciais que estão abertas para o segmento de lácteos”, afirma o diretor da Sede.

O seminário busca, também, equalizar o potencial produtivo do Estado e sua capacidade de fornecimento de produtos lácteos com a demanda existente lá fora. Minas Gerais é a principal bacia leiteira do Brasil, com produção anual de mais de 9 bilhões de litros, representando 27% da produção nacional de leite. Além de contar com grandes laticínios, o Estado possui mais de 42 mil estabelecimentos agropecuários com agroindústrias, investindo na produção diversificada de queijos, requeijão, manteiga, doce e creme de leite.

Apesar da liderança na produção nacional de leite, da diversidade de produtos e da qualidade, o segmento dos lácteos ocupa uma fatia pequena na pauta de exportações do agronegócio mineiro. Em 2020, as vendas externas do setor alcançaram US$ 16,15 milhões, representando apenas 0,2% do valor total exportado pelo agronegócio do Estado.
*Com Agência Minas