Uma semana após anunciar o aumento da tarifa de pedágio na BR-135, a concessionária Eco135 emitiu nota afirmando que o reajuste foi adiado após negociação com a Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra), órgão responsável pela fiscalização do contrato.

O aumento da tarifa de R$ 7,50 para R$ 8 (carro de passeio), a partir de 1º de abril, foi prorrogado por 30 dias. Logo que a concessionária anunciou a alta da taxa, na semana passada, a repercussão foi intensa entre motoristas e inclusive com a Bancada do Norte na Assembleia Legislativa.

O aumento de 6,6% desagradou, principalmente em um momento complicado com a pandemia e os recorrentes reajustes no preço dos combustíveis. 

“Esse aumento vai pesar bastante no bolso. Estamos vivendo um momento delicado, com muita dificuldade em todos os sentidos. Eu, por exemplo, passo duas vezes de caminhão por esse trecho no sentido Rio de Janeiro e não fica barato. Tenho certeza que vai pesar bastante no bolso de muitos motoristas autônomos que fazem viagens semanais e têm que pagar do seu próprio bolso”, afirmou o motorista de caminhão Marcelo Lopes Silva, de 33 anos, ouvido por O NORTE na última semana, quando anunciado o reajuste. 
 
PESADO
O aumento seria praticado nas cinco praças de pedágio entre Montes Claros e Curvelo e na praça da LMG-754 próxima a Cordisburgo. Quem vai de Montes Claros a BH, por exemplo, em carro de passeio, passaria a gastar R$ 40 na ida e mais R$ 40 na volta.

Um ofício chegou a ser enviado pela Bancada do Norte na Assembleia Legislativa ao governo do Estado, à Seinfra e à concessionária Eco 135. No texto, os parlamentares da região repudiaram o reajuste e exigiram a suspensão imediata do mesmo.

Em nota, a Eco135 não informou o motivo da prorrogação do reajuste. “Em conjunto à Seinfra, a ECO135 decidiu postergar em 30 dias o reajuste tarifário anual que ocorreria no próximo dia 1º de abril, conforme previsto no contrato de concessão. Assim, a tarifa básica praticada em suas praças de pedágio permanecerá provisoriamente em R$ 7,50 para veículos de passeio e comerciais por eixo, e R$ 3,75 para motos. A Concessionária esclarece que todas as ações que vem realizando obedecem ao previsto no Contrato de Concessão, como obras de conservação, reparação e ampliação, sob a fiscalização da Seinfra”.

A concessionária informou ainda que até o quinto ano de concessão, ou seja, em 2023, serão entregues 136 km de duplicação e 55 km de faixas adicionais, além de acostamento, contorno viário e a recuperação profunda do pavimento.

Em nota, a Seinfra informa que o pedido de prorrogação foi realizado em função da “Onda Roxa”, do Programa Minas Consciente. Ainda no texto, a secretaria disse que o prazo pode ser ampliado mediante prorrogação do plano restritivo do Estado.