A vacinação contra a Covid-19 está adiantada nas populações indígenas do país. Segundo dados do Ministério da Saúde, 82% de todos os indígenas brasileiros receberam a primeira dose de algum imunizante. Destes, 72% concluíram totalmente o ciclo de vacinação com a segunda dose, ressalta o secretário Especial de Saúde Indígena do Ministério da Saúde, Robson Santos da Silva.

“O Brasil se destaca no contexto mundial por possuir um subsistema diretamente ligado e destinado aos indígenas. São 6 mil aldeias. Esses indígenas tiveram um cuidado especial desde o início da pandemia. Sem a participação deles, não teríamos o sucesso que tivemos. Contamos também com a medicina tradicional. Nesse contexto, o sucesso da imunização foi grande”, disse Robson Santos.

De acordo com o secretário, as fake news foram um problema e a logística de distribuição e aplicação das vacinas foi desafiadora, mas aconteceu de forma ágil devido ao sistema robusto de vacinação do Ministério da Saúde.

Segundo dados oficiais da pasta, foram registrados 709 óbitos por Covid-19 em comunidades indígenas. O Brasil conta, atualmente, com mais de 750 mil indígenas.
 
EM MINAS
No Norte de Minas, São João das Missões é o município que abriga a etnia Xakriabá. Dos cerca de 14 mil habitantes, 70% correspondem à população indígena. A vacinação chegou a todas as 35 aldeias do município e, de acordo com o prefeito, Jair Cavalcante (Jair Xakriabá), que também é indígena e reside em aldeia, praticamente todos eles foram vacinados, seguindo o Plano Nacional de Imunização, que no primeiro momento contemplou esta população.

“Quem não vacinou foi porque não quis e por desinformação, porque houve muita notícia negativa na mídia em torno da vacina e alguns acreditaram que faria mal. As fake news atrapalharam um pouco o processo, mas a maioria aderiu”, disse o prefeito.

Atualmente, a cidade está com mais de 51% da população imunizada, entre indígenas e não indígenas, e aguarda a chegada de novas doses da vacina para dar prosseguimento ao calendário do Estado.

Cidade mineira ficou 17 dias sem casos
São João das Missões ostentava, até esta semana, 17 dias sem registro de casos da Covid. Nos últimos dias, foram confirmados pacientes com a doença. Para evitar que o vírus se espalhe, o município publicou novo decreto com medidas restritivas.

“Não dá para controlar 100%. Acaba chegando alguém de fora da cidade ou as pessoas saindo daqui por algum motivo, fazendo com que essa contaminação aconteça. Outra coisa que pode ter contribuído para esses novos casos é que a população já imunizada pode ter se descuidado em algum momento, achando que não corria risco. Mas nós continuamos a trabalhar na conscientização de que é preciso manter os cuidados”, afirmou o prefeito.
 
RESTRIÇÕES
O decreto municipal reforça a obrigatoriedade do uso da máscara em vias e espaços públicos ou espaços privados acessíveis ao público. Proíbe festas em perímetro urbano ou rural, realização de eventos esportivos, uso de piscina em clubes ou locais de uso coletivo, atividades religiosas campais, festas juninas em espaços públicos ou privados.

O documento permite o funcionamento de bares, restaurantes e similares até as 19h e, a partir daí, apenas por delivery. Os salões de beleza e os treinos ao ar livre seguem a mesma restrição de horário.

*Com Agência Brasil e Márcia Vieira