Há cinco anos, as Folias de Minas eram reconhecidas como Patrimônio Cultural de Minas Gerais. O Estado já tem mais de 1.600 grupos cadastrados em todas as regiões.

Os estudos foram realizados pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG) em parceria com as prefeituras.

Em 2017, após um ano de pesquisa e identificação por meio de cadastro virtual disponível no portal do Iepha, o Conselho Estadual de Patrimônio Cultural de Minas Gerais aprovou, por unanimidade, o registro das Folias como patrimônio cultural de natureza imaterial. 

Os grupos cadastrados estão presentes em mais de 400 municípios, com destaque para Uberaba, com 133; João Pinheiro (34), Uberlândia (32), Presidente Olegário (30) e Sete Lagoas (29). 

O presidente do Iepha-MG, Felipe Pires, salienta a importância do reconhecimento das Folias como patrimônio cultural. “A tradição de montar presépios representando a natividade é muito antiga e está presente em diversos territórios de cultura cristã em todo o mundo. Em Minas Gerais, o que torna essa prática especial são as características particulares que essa tradição aqui adquire, e suas relações com as nossas folias de reis”, destaca. 

Como uma das práticas culturais mais antigas e difundidas no Estado, as Folias, também denominadas Ternos, Companhias, Caravanas, entre outros, foram se tornando, ao longo dos anos, um componente de considerável importância na construção do imaginário, identidade e memória do povo mineiro.
 
REFERÊNCIA CULTURAL
Com suas distintas sonoridades, devoções, denominações e formas, as Folias do Estado fazem parte do diversificado e complexo universo de celebrações feitas em Minas Gerais, tendo se tornado, ao longo dos anos, uma importante referência cultural do povo mineiro.

Essa diversidade contribuiu para que o Iepha/MG instruísse, pela primeira vez, um processo de registro que abrangesse todo o território mineiro. Esse processo, inovador e desafiante para a instituição, foi desenvolvido de forma colaborativa e com a participação de foliões, de prefeituras e de pesquisadores, por meio de uma plataforma virtual na qual é possível cadastrar os grupos de Folias do Estado. A plataforma, disponível no site do Iepha-MG, permanece aberta com o recebimento contínuo de informações. 
 
PUBLICAÇÕES
No site do Iepha-MG estão disponíveis o documentário e o caderno que retratam as Folias de Minas. O filme, dirigido por Felipe Chimicatti e Pedro Carvalho, sob a coordenação da equipe técnica do instituto, também está no canal do Iepha no YouTube.

No documentário, mestres e foliões de diferentes devoções e de três localidades – São José da Serra, em Jaboticatubas; bairro Aparecida, em Belo Horizonte, e o distrito de Paciência, no município de Porteirinha, narram os rituais que estruturam as folias, desde o início da jornada com a visita da bandeira até a festa de encerramento.

A produção audiovisual e a publicação apresentam ainda elementos como o canto, a reza, os toques de instrumentos musicais, as danças, as comidas votivas e o uso de objetos sagrados, como máscaras, toalhas, fitas e a bandeira com a imagem dos santos de devoção.

*Com Agência Minas