Municípios norte-mineiros estão sendo orientados a realizar busca ativa de moradores que ainda não tomaram a vacina contra a febre amarela. A medida é considerada essencial para evitar a disseminação da doença em humanos após se constatar a morte de macacos na região vítimas da enfermidade.

A questão foi tratada na última terça-feira (21), em reunião do Grupo de Análise e Monitoramento da Vacinação no Estado de Minas Gerais (Gamov), na qual a Coordenadoria de Vigilância em Saúde da Superintendência Regional (SRS) de Montes Claros ressaltou a necessidade de ampliar a mobilização.

Entre 2007 e este ano, os 86 municípios que compõem a macrorregião Norte aplicaram 1.593.454 doses de vacinas contra a febre amarela. Essas cidades integram as áreas de atuação da SRS Montes Claros e as GRS de Januária e Pirapora.

Dos 54 municípios que integram a área da SRS de Montes Claros, 30 estão com percentual de cobertura entre 95% e 100% da população, conforme preconizado pelo Ministério da Saúde.

Outros 24 municípios, segundo o levantamento da Secretaria de Estado da Saúde (SES-MG), estão com percentuais de cobertura variando de 67,15% a 94,13%.

Nesses locais (veja Saiba Mais), será preciso intensificar a busca ativa de pessoas não vacinadas contra a doença, de casa em casa nas zonas rurais e em pontos fixos nas áreas urbanas.

Em Montes Claros, a cobertura vacinal está em 96,03%, acima dos 95% recomendados pelo Ministério da Saúde. A vacina é disponibilizada em todos os serviços de atenção primária à saúde dos municípios.
 
RECOMENDAÇÕES 
A vacina contra a febre amarela deve ser aplicada em crianças com nove meses de vida; depois, uma dose de reforço aos 4 anos de idade; e uma dose em pessoas entre 5 e 59 anos de idade não vacinadas ou sem comprovante de vacinação.

A pessoa que recebeu uma dose da vacina antes de completar 5 anos de idade está indicada a tomar uma dose de reforço, independentemente da faixa etária.

A vacina é contraindicada para bebês de até 6 meses de idade, mulheres amamentando bebês com menos de 6 meses, gestantes, imunodeprimidos graves, pacientes pós-transplante de órgãos, pacientes com câncer, alérgicos a ovo de galinha.

Fumacê em cena para atacar mosquitos
A preocupação com o registro de febre amarela em primatas mobilizou ainda a Gerência Regional de Saúde (GRS) de Januária. Equipes estão sendo orientadas na busca ativa de pessoas que precisam ser vacinadas e vigilância para surgimento de casos em humanos.

A referência técnica de Imunização da Regional, Iolanda Vieira dos Santos, ressalta que a vacina é a principal ferramenta de prevenção e controle da febre amarela. 

“O SUS oferta vacina contra a doença, podendo a população se dirigir ao posto de saúde mais próximo de sua casa para verificar a disponibilidade da mesma e garantir a imunização”, diz Iolanda.

A referência técnica de dengue na GRS Januária, Marcus Oreste Monteiro Costa, informou que a Regional vai realizar uma força-tarefa para aplicação de fumacê em Ubaí e Luislândia. Também será realizada limpeza urbana.

O fumacê é uma estratégia para controlar as populações de mosquitos, com o uso fumaça com baixas doses de agrotóxico.

“Esperamos que possa ser desenvolvido um bom trabalho de combate à febre amarela para que não tenhamos nenhum caso humano”, disse Fernando Maria Magalhães, referência técnica de febre amarela da GRS.

Cidades abaixo da meta
Berizal, Capitão Enéas, Coração de Jesus, Espinosa, Francisco Sá, Grão Mogol, Indaiabira, Itacambira, Janaúba, Joaquim Felício, Mato Verde, Mirabela, Montezuma, Nova Porteirinha, Novorizonte, Pai Pedro, Porteirinha, Rio Pardo de Minas, Rubelita, Salinas, Santa Cruz de Salinas, Serranópolis de Minas, Taiobeiras
e Verdelândia.