Duas semanas após garantir que a deso-brigação do uso da máscara contra a Covid-19 sequer seria discutida antes da chamada imunidade de rebanho, o Estado voltou atrás e já ensaia uma flexibilização. A medida pode ocorrer antes do previsto, mas ainda com muita cautela e só após o avanço da vacinação.

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) informou que o equipamento de proteção pode se tornar facultativo em lugares abertos e arejados até dezembro. 
O “abandono” do acessório em parques, praças e ruas depende de uma cobertura vacinal de 70% – duas doses ou dose única – da população adulta. Antes, chegou a se dizer que seriam necessários 80%.

Atualmente, seis a cada dez mineiros maiores de 18 anos estão imunizados. A pasta reforçou que os demais protocolos sanitários são indispensáveis para “o sucesso dos esforços no enfrentamento da pandemia”.
 
Desobrigação 
Tornar o uso das máscaras de proteção facultativo em locais públicos tem ganhado cada vez mais força no país. No Rio de Janeiro, um decreto deve ser publicado ainda nesta semana.

O governador Romeu Zema (Novo) também abordou a questão em entrevista na segunda-feira, na qual afirmou que a medida deve ocorrer “em semanas” no Estado. 

“Nosso número de casos de internação e também de óbitos tem caído dia a dia há mais de 120 dias. Isso demonstra que o processo de imunização tem funcionado”, disse o governador à CNN Brasil. 

Zema acredita que em ambientes abertos com grande aglomeração, como estádios de futebol, a obrigatoriedade ainda deverá seguir. 

Delta em 93% das amostras
A variante Delta do coronavírus segue em avanço no Estado e já aparece em 93% das amostras analisadas. Segundo dados divulgados ontem pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), já são 1.107 os casos positivos para a cepa. Até semana passada, eram 1.024. 

A mutação, considerada mais transmissível, foi registrada em mineiros de 1 mês a 95 anos, moradores de 179 cidades. Em 607 casos (54,8%), a variante foi detectada em mulheres.

Já o número de óbitos segue estável. Ainda segundo a pasta, nove pessoas de 36 a 83 anos foram vítimas da Delta, sendo cinco do sexo feminino e quatro do masculino. Eles eram de Belo Horizonte, Contagem, Pi-raúba, Caratinga (2), Rio Novo, Claro dos Poções, Uberaba e Cabeceira Grande. Dos 1.107 casos confirmados no Estado, 189 foram registrados em Belo Horizonte. Juiz de Fora, na Zona da Mata, aparece em seguida, com 182 amostras positivas.

Em Minas, 2,1 milhões de pessoas já se recuperaram da enfermidade. Outros 22,4 mil pacientes seguem em acompanhamento, internados ou em isolamento social.