Com uma produção anual superior a 6 mil toneladas, o que equivale a 12% do volume nacional, Minas Gerais quer ampliar a participação da cadeia do mel na pauta de exportações do Estado. Para isso, realizou nesta quinta-feira (6) uma apresentação do setor para importadores de 24 países das regiões do Centro e Leste Europeu em encontro virtual.

O objetivo do encontro, promovido pelas secretarias de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e de Desenvolvimento Econômico (Sede), foi estabelecer canais de comunicação, prospectar mercados e abrir novos canais de comercialização para os produtos da apicultura mineira. 

Minas Gerais possui uma pauta diversificada de exportações para esse bloco de países, mas os produtos apícolas ainda não têm expressividade na comercialização, apesar de o Estado possuir 7,9 mil apicultores em atividade que gera 42 mil empregos diretos e indiretos.

A secretária de Agricultura, Ana Valentini, destacou o potencial da apicultura mineira, que vem ganhando espaço entre as atividades agropecuárias do Estado. Atualmente, o setor envolve quase 150 associações. 

“Minas Gerais reúne as condições ideais para o desenvolvimento da atividade, como o clima favorável e a diversidade da fauna e da flora, que permite a produção de mel e própolis de alta qualidade. Além disso, existem floradas aqui em nosso Estado que possibilitam uma produção com grande apelo comercial”, afirma.

Na avaliação do secretário de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio, a apicultura mineira é motivo de orgulho. “Nossos produtos apícolas estão presentes não só em todo o Brasil, mas em diversos países do mundo, que já reconheceram o valor nutricional e medicinal da nossa produção”, ressalta.

Além da apresentação institucional de Minas Gerais (dados populacionais, economia e o comércio exterior realizado pelo Estado), os participantes puderam conhecer as principais características do setor apícola nacional e mineiro. O subsecretário de Política e Economia Agropecuária da Seapa, João Ricardo Albanez, destacou a diversidade dos biomas (Mata Atlântica, Cerrado e Caatinga), que favorece para que a produção mineira seja 80% de mel silvestre. 
 
REGIÃO PRODUTORA
O Norte de Minas é uma importante região produtora, principalmente do mel de aroeira, produto de características únicas, elevado potencial antioxidante e que nunca cristaliza. O mel de aroeira é um tipo de mel da abelha Apis mellifera muito característico do Norte de Minas. Ele leva este nome porque as abelhas retiram os recursos para a produção deste mel da planta Myracrodruon urundeuva, um tipo de aroeira, vegetação predominante em regiões de mata seca.

A apicultura é uma importante fonte de recursos financeiros para as famílias locais. Além da valorização socioeconômica, a atividade favorece a preservação da vegetação, que passa a ser mais valorizada e cuidada para produzir o mel.

A atividade apícola está distribuída em todo o Estado e as floradas específicas de cada local determinam os tipos de méis. A predominância é do mel silvestre, produzido com flores diferentes, mas também são típicos os méis das floradas do café, assa-peixe, aroeira, eucalipto, velame, candeia, capinxigui, cipó-uva e da periquiteira, entre outros.

*Com Agência Minas