O Norte de Minas chegou à marca de 50.439 microempreendedores individuais (MEIs) em 2019. Montes Claros, a maior cidade da região, é a sexta do Estado em número de microempresários individuais formalizados, com 20.365, sendo 3.863 somente de janeiro a dezembro de 2019. 

Merecem destaque ainda os municípios de Janaúba (2.613); Pirapora (2.116); Salinas (2.033); Taiobeiras (1.835) e Januária (1.610).

De acordo com levantamento feito pelo Sebrae, com base nos dados do Portal do Empreendedor, Minas Gerais (1.073.166), Rio de Janeiro (1.094.630) e São Paulo (2.549.639) são os estados que fecharam o ano com mais de 1 milhão de formalizados.

“O número de formalizações aumentou consideravelmente, não apenas no Norte de Minas, mas no Brasil. Esse crescimento ainda é reflexo da falta de oportunidade de emprego e, com isso, há uma tendência natural de investir no próprio negócio. Para este ano, temos um cenário com expectativa de melhora na economia e, dessa forma, esperamos que as pessoas possam empreender por oportunidade e não por necessidade”, avalia o gerente regional Norte do Sebrae Minas, Cláudio Luiz Oliveira.

Os setores com mais formalização no Estado em 2019 foram bares, salões de beleza, promoção de vendas, pedreiros e lojas de roupas e acessórios. As cinco ocupações corresponderam por 40% das 180 mil formalizações em Minas Gerais, entre janeiro e dezembro do mesmo ano.

Comércio e serviços foram responsáveis por 72% dos formalizados no Estado, ou seja, 131 mil MEIs. Já a agropecuária foi o setor com menor número: 2.167 MEIs. 

“O alto índice de formalizações nesses setores também se justifica pelo baixo investimento inicial para abrir esse tipo de empresa e, sobretudo, o tamanho do mercado consumidor”, ressalta a analista do Sebrae Minas Laurana Viana.

A turismóloga Letícia Veloso, de Montes Claros, viu no e-commerce – comércio na internet –, uma oportunidade de vender, da própria casa, um produto que tinha dificuldade de encontrar.

“Só encontrava as meias que eu queria em outras cidades, então, vi uma oportunidade de negócio. E pela internet consigo entregar em todo o Brasil”, disse Letícia. 

Ela contou que abrir o próprio negócio não é tarefa fácil, mas que, em meio à dificuldade em encontrar boas oportunidades no mercado, buscou trabalhar com o que gostava. “Mesmo formada e, acredito que isso aconteça também em outras áreas, não estava satisfeita com os rumos que minha profissão vinha tomando. Estava cada vez mais difícil encontrar emprego, boas oportunidades”, explica. 

O estudo do Sebrae mostra que, no acumulado dos formalizados mineiros, 53% são homens e 47% mulheres. Além disso, 54% dos MEIs do Estado têm entre 31 a 50 anos de idade.

Benefícios e apoio
Para ser MEI, é necessário ter um faturamento anual limitado a R$ 81 mil, não ter sócio nem filiais, trabalhar sozinho ou ter no máximo um empregado (que receba piso da categoria ou salário mínimo) e atuar em uma das ocupações permitidas pela lei. Entre as vantagens estão: abrir conta bancária de Pessoa Jurídica, ter acesso a linhas de crédito com condições mais atrativas, participar de licitações, dentre outros inúmeros benefícios.