Mais uma cidade do Norte de Minas cancela a realização do Carnaval 2022. Janaúba se junta a outros 24 municípios que já haviam se posicionado, no início de dezembro do ano passado, contra a realização da folia em função do avanço da variante Ômicron.

O prefeito José Aparecido Mendes publicou um decreto oficializando o cancelamento da festa. A regra vale tanto para eventos em espaços abertos como fechados – públicos ou privados.

A medida foi tomada por causa do cenário epidemiológico, considerando as mais recentes recomendações dos órgãos de saúde pública. O argumento é o de que a realização de eventos gera aglomerações e condições favoráveis para a transmissão da nova cepa do coronavírus. 

Além da proibição, o documento traz ainda determinações para aumento da fiscalização na cidade, tanto da Vigilância Sanitária como de Fiscais de Postura, com apoio da Polícia Militar, de modo a coibir festas clandestinas.

O descumprimento das regras dispostas no decreto implicará em penalidades como multa de até R$ 10 mil (graduada de acordo com a gravidade da infração), interdição, cancelamento de alvará/autorização ou fechamento do estabelecimento infrator.

“Salvar e preservar a vida dos janaubenses é a meta primordial da nossa gestão. Investimos muito para que os cidadãos tenham uma vida saudável, e isso tem contribuído para a redução de internações de casos relacionados com a pandemia”, afirma o prefeito de Janaúba, José Aparecido Mendes Santos (PSD).

A decisão em vetar os eventos, segundo ele, segue a linha do município de continuar adotando ações firmes no cumprimento das medidas sanitárias. “Destaco o empenho dos servidores da área de saúde e também a receptividade da população em atender o chamamento quanto à imunização, pois hoje temos 100% da população adulta vacinada com pelo menos duas doses de imunizantes contra a Covid-19”, explica.

O gestor admite que o entretenimento, principalmente os eventos carnavalescos, é um grande atrativo social e econômico em Janaúba, com inegável potencial turístico. “Mas a prevenção é primordial nesse momento para que as famílias de Janaúba e dos visitantes tenham uma vida saudável. Esperamos a compreensão de todos”.

JÁ DEFINIDOS
Dentre os 24 municípios que já haviam cancelado a Folia de Momo, Pirapora é uma das que tem mais tradição na realização da festa, às margens do rio São Francisco.

O prefeito Alex César diz que levou em conta as notícias sobre a variante e o alto potencial de contágio da nova cepa. “A gente mede duas coisas: a consequência econômica desse nosso ato de cancelar e o que isso pode impactar no sistema de saúde. Se de novo a gente tiver que ocupar todos os leitos de CTI e despender recursos, é muito danoso. Ou seja, existe o dano econômico, mas o dano maior seria uma Onda Roxa, como vivemos no Minas Consciente”.
 
SEM DEFINIÇÃO 
Com forte apelo turístico, Grão Mogol ainda não tem uma definição sobre a situação. “Ainda não há uma decisão definitiva sobre o cancelamento ou não, mas estamos monitorando o avanço dessa nova variante”, afirma Ítalo Mendes, secretário de Turismo de Grão Mogol.
 
FOLIA MANTIDA 
Por outro lado, Francisco Sá mantém a previsão de fazer o Carnaval na cidade. Em nota, a assessoria de comunicação da prefeitura informa que “após a realização das festividades de fim de ano, vamos fazer um levantamento sobre o impacto do evento no prazo de até 30 dias. Com o levantamento em mãos, a administração municipal vai avaliar a realização do Carnaval, que até o presente momento está confirmado devido à estabilidade dos casos e o avanço da vacinação no município”. 
 
POSIÇÃO REVISADA
Em entrevista coletiva realizada na quinta-feira da semana passada (6), o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, afastou qualquer possibilidade de o Carnaval ser realizado em Minas.

Com o avanço da variante Ômicron, somado aos casos de Influenza, o secretário descartou qualquer folia em 2022. A posição do gestor da pasta havia sido diferente uma semana antes.

“A Ômicron mudou tudo. Quando nós discutíamos o Carnaval, ainda não tinha a Ômicron dessa forma, e essa mudança faz parte da pandemia. Neste momento, não dá nem para pensar em Carnaval”, afirmou.

Por outro lado, o que foi mantido em ambos os discursos do secretário foi a necessidade da vacina. No mês passado, ele disse que “essa imunização vai fazer a diferença para não pressionar o sistema de saúde”. Dessa vez, o aviso ainda levou em conta a nova variante no Estado.

*Com Lucas Sanches, do HD