Nada de Carnaval, folia e aglomeração. O próximo fim de semana, que seria prolongado até a terça-feira, caso a Festa de Momo pudesse ser realizada, será marcado por fiscalizações mais rigorosas nas cidades mineiras.

A medida, anunciada ontem pelo governo do Estado, tem como objetivo evitar aglomerações e demais festividades, proibidas em função da pandemia do novo coronavírus.

O anúncio do cerco fechado e do planejamento estratégico para coibir as grandes reuniões foi feito pelo governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), ao lado do coronel da Polícia Militar (PM), Rodrigo Sousa Rodrigues, e do coronel do Corpo de Bombeiros, Edgar Estevo.

O projeto será executado em parceria com os municípios, que têm a responsabilidade na fiscalização de festas e eventos, segundo o governador Romeu Zema. “As Forças de Segurança do Estado se planejaram para que nós venhamos a evitar qualquer tipo de aglomeração, qualquer tipo de evento no Estado. Estamos trabalhando em conjunto com todos os municípios. Não queremos que o mineiro se exponha desnecessariamente a riscos. Tivemos um mês de janeiro que, em termos de novos casos de Covid e de óbitos, superou qualquer expectativa. Portanto, é momento de ter cautela”, alerta o chefe do Executivo estadual.

Para intensificar o trabalho de orientação e fiscalização, a Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG) reforçou o efetivo que irá trabalhar nas ruas, com suspensão de férias no período do Carnaval. Além da medida, militares do setor administrativo e dos cursos de formação também serão deslocados para missões e operações em todo o Estado.

OPERAÇÕES
Segundo o comandante-geral da PMMG, coronel Rodrigo Sousa Rodrigues, serão realizadas ações em regiões com maior número de turistas e histórico de aglomerações, operações Lei Seca em locais de maior fluxo de turistas e monitoramento de eventos e bailes irregulares.

As fiscalizações nas rodovias estaduais e federais também serão reforçadas. “A campanha da Polícia Militar traz como lema que o Carnaval é pela vida, então vamos trabalhar para evitar aglomerações. É importante ressaltar que não há nenhum evento carnavalesco planejado e permitido no Estado. Se tiver, ele será irregular, por isso é importante a parceria com os municípios, que têm a responsabilidade de fiscalizar. Vamos atuar juntos para evitar que a Covid-19 avance neste período”, afirma coronel Rodrigo.

Para que as ações sejam ainda mais reforçadas, o comandante pede a ajuda da população na fiscalização de eventos irregulares e em denúncias de festas e aglomerações.

Reforço dos Bombeiros
Os trabalhos serão realizados com apoio do Corpo de Bombeiros, que também atuará nos principais pontos de atenção, que estão nas regiões balneárias, conhecidas por festas e eventos nesta época do ano. Cerca de 4 mil militares e 420 viaturas estarão mobilizados para atuarem no Carnaval.
 
“Vamos trabalhar com a Polícia Militar, mas também com todos os órgãos municipais, como as guardas municipais e a vigilância sanitária, com objetivo de evitar a aglomeração. Não temos um único registro de qualquer evento sendo noticiado. Não há nenhuma solicitação de autorização por parte dos bombeiros para eventos, o que mostra que os municípios estão seguindo esta diretriz de ter um Carnaval diferenciado, consciente, seguro, pela vida e pela saúde”, disse o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Estevo. 

*Com Agência Minas