O governo de Minas apresentou, nesta terça-feira (15), o calendário da vacinação contra a Covid-19 por faixa etária. Segundo o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, toda a população com mais de 18 anos deve ser imunizada até outubro.

Porém, o chefe da pasta estadual afirmou que o cronograma só poderá ser cumprido caso o Ministério da Saúde entregue as doses previstas. “Estamos condicionados à distribuição da vacina conforme o calendário do governo federal. Isso pode ser antecipado ou atrasado, conforme a distribuição das doses”, explicou.

Segundo o secretário, a previsão do ministério é receber, até outubro, 268,5 milhões de doses para distribuição às unidades da federação. “Diante da expectativa e do histórico de que 10% das doses vêm para Minas Gerais, essa é a expectativa por faixa etária da vacinação com a primeira dose em todo o Estado”.

O secretário ressaltou, ainda, que a velocidade de aplicação não é a mesma para todas as 853 cidades mineiras e que os grupos etários não têm a mesma proporção. “Alguns municípios provavelmente começarão antes e outros depois. Há uma expectativa de que ainda em junho alguns consigam vacinar abaixo de 55 anos. Isso vai acontecer”.

Até o momento, 5,5 milhões de moradores já receberam a primeira dose do imunizante em Minas, o que representa 74% do público-alvo. Deste grupo, 2,5 milhões tomaram o reforço, o que significa 34%, conforme análise feita pela Secretaria de Estado de Saúde (SES).
 
LACTANTES
Gestantes e puérperas sem comorbidades foram incluídas no grupo prioritário da vacinação contra a Covid-19 na última semana. No entanto, outra parcela de mulheres ainda aguarda definição sobre a imunização: as lactantes. Segundo o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, a decisão deve sair ainda nesta semana.

“Houve um questionamento sobre as lactantes, que é outro grupo que geralmente acompanha gestantes e puérperas. Não saiu nessa deliberação ainda porque é necessária uma nota técnica”, afirmou o chefe da pasta estadual.

Anteriormente, por orientação do Ministério da Saúde, apenas grávidas e mulheres que tiveram bebê em até 45 dias portadoras de doenças crônicas podiam receber a proteção.

“O entendimento inicial era de que as gestantes não eram um grupo de risco da doença. Isso mudou. Hoje há um entendimento, sim, que as gestantes são um grupo de risco e têm maior letalidade que um normal”, explicou Baccheretti.

A nova determinação, divulgada na sexta-feira (11), busca diminuir os números de casos de coronavírus entre esse público-alvo. Outra decisão é que receberão, por medida de segurança, vacinas que não contenham vetor viral, sendo elas a Pfizer e a CoronaVac.

Conforme a Secretaria de Estado de Saúde (SES), até 26 de abril deste ano, 2.662 grávidas testaram positivo para a doença em Minas. Dessas, 84 morreram.

Veja a projeção do calendário de vacinação em Minas divulgada ontem pelo Estado:
59 a 55 anos - junho
54 a 50 anos - julho
49 a 35 anos - agosto
34 a 25 anos - setembro
24 a 18 anos - outubro