Cerca de 380 mil crianças de famílias que vivem na extrema pobreza em Minas Gerais, com renda per capita inferior a R$ 89 por mês, alunas da rede estadual de educação, vão receber uma bolsa merenda no valor mensal de R$ 50, durante quatro meses.

A medida foi tomada pelo governo do Estado para tentar aliviar a fome de crianças que estão afastadas da escola, em razão da pandemia do novo coronavírus. Muitas delas têm na merenda escolar a única refeição do dia. 

“Fazemos isso para compensar a perda da merenda que tinha na escola. Tenho certeza de que esse valor minimizará o sofrimento dessas famílias, que são as mais impactadas pela Covid-19, já que, geralmente, pai e mãe trabalham no mercado informal e sentem com muito mais intensidade este momento”, disse o governador Romeu Zema em pronunciado virtual.

O mapeamento desse público foi feito em conjunto com o Ministério Público de Minas Gerais, que doará R$ 30 milhões de seu orçamento à iniciativa. Segundo a secretária de Estado de Desenvolvimento Social, Elizabeth Jucá, R$ 30 da bolsa merenda serão custeados pelo Estado e R$ 20 pelo Ministério Público. A secretária informou ainda que será distribuído um cartão para cada uma das 380 mil crianças mapeadas, mas o Estado ainda estuda como isso se dará.

O procurador-geral do Estado, Sérgio Tonet, ponderou que a ação objetiva, além de ajudar na alimentação desses alunos da rede pública, incentivar o isolamento social no Estado, que, em sua avaliação, é, neste momento, fator de extrema importância para atrasar o pico da crise. Tonet e a secretária de Desenvolvimento Social informaram que o Estado está em busca da ajuda de empresários mineiros para que esse auxílio à alimentação possa ser estendido a mais crianças que vivem na extrema pobreza em Minas Gerais.

A superintendente Regional de Ensino, Levimar Tupinambá, afirmou que ainda não chegou nenhuma informação sobre o benefício e que vai aguardar as orientações do governo. Ela disse que não sabe informar quantos alunos do Norte de Minas se encaixariam na situação.
 
PICO ADIADO
O pico da pandemia de Covid-19 em Minas Gerais deve ocorrer entre os dias 4 e 5 de maio. A previsão anterior da Secretaria de Estado de Saúde (SES) era de que esse ápice no número de casos da doença ocorreria neste mês, entre os dias 25 e 27.

O titular da SES, Carlos Eduardo Amaral, informou que, graças à adesão dos mineiros ao isolamento social, o pico está sendo achatado em Minas.

O secretário alertou, entretanto, que é preciso manter as medidas de isolamento, evitar aglomerações, usar máscara ao sair de casa, fazer a higiene das mãos com água e sabão ou com álcool em gel e não levar as mãos ao rosto.