A Associação do Circuito Turístico Velho Chico elegeu, com chapa única, a nova diretoria para os próximos dois anos, conforme consta no Estatuto Social da entidade. Gilton Alves Lima deixa o cargo de presidente, que agora será ocupado pelo Agente de Desenvolvimento e Coordenador do Departamento de Turismo da Prefeitura de Mirabela, Adalto Aquino, servidor efetivo do Município. 

“Mirabela é a porta de entrada do Circuito. Tivemos avanços significativos em 2019 e ser eleito a Presidente vem coroar a nossa atividade profissional, bem como o momento histórico que a capital nacional da carne de sol vive. Queremos implantar um novo momento turístico, acreditando que há ainda um longo caminho a ser trilhado, mas iremos trabalhar com mais empenho e disposição para conquistar novos incentivos, não só para Mirabela, mas para as outras cidades”, afirmou o Presidente Adalto. 

Diretoria Transparente 
A nova composição da diretoria ainda tem Cláudia Simone Seixas, de Itacarambi, como vice-presidente; Solange Aparecida Mota, de Januária, como Diretor de Administração e finanças; as três conselheiras fiscais: Gislaine Souza, de Lontra; Fabrícia Ferreira Mota, de Manga; Tatianne Borges Lima, de Bonito de Minas; e a Gestora Clevane Tavares, que é de São Francisco.

“O que queremos é transparência, que nunca teve; mais adesão dos municípios, chegando a 20. Queremos a união e trabalho de todos as cidades, pois atualmente temos somente seis habilitados. Queremos desenvolver novas propostas e valorizar as características regionais”, garantiu a vice-presidente Cláudia, que é agente de desenvolvimento e Secretária de Desenvolvimento Econômico, Cultura e Turismo de Itacarambi, onde o Circuito nasceu. 

Velho Chico 
Em Minas Gerais são 47 Circuitos Turísticos certificados, envolvendo todas as regiões de Minas Gerais e aproximadamente 600 municípios. O Circuito Velho Chico foi certificado em 2005 é composto por 14 Municípios: Mirabela, Japonvar, São Francisco, Pedras de Maria da Cruz, Januária, Jaíba, Cônego Marinho, Bonito de Minas, Itacarambi, Manga, Montalvânia, São João das Missões, Juvenília e Lontra . 

A Gestora Clevane Tavares descreveu que “o Circuito é uma instância de governança, que os municípios que desejam participar das políticas públicas de turismo, precisam obrigatoriamente, estar associados. Como por exemplo: o repasse do ICMS turístico, o mapa de regionalização do Ministério do Turismo”, falou. 

Os Plano de Ação para 2020 e o Planejamento Estratégico 2019/2023 também foram apresentados, analisados e aprovados. 

“Queremos ações coordenadas e em conjunto. Por exemplo: Cavalgadas, festivais gastronômicos, seminários. Não precisamos inventar a roda, precisamos sim adaptá-las para cada engrenagem, que neste caso é cada cidade. Afinal, os circuitos, são a esfera regional do turismo”, encerrou Adalto Aquino.

É a primeira vez que um Circuito é todo administrado por agentes de desenvolvimento.  

"Por isso a expectativa é muito grande, de que seja feito um trabalho voltado para o Desenvolvimento Econômico Local", descreveu o Presidente.