Quase 40% das cidades norte-mineiras já têm pelo menos um registro do novo coronavírus. O número de casos cresceu 733% em um mês, segundo pesquisa desenvolvida pela Unimontes, que mapeou o avanço da doença na região.

Em 30 de abril, 11 cidades apresentavam 30 casos e seis mortes. Em 31 de maio eram 34 cidades, com 250 confirmações e nove mortes. 

As cidades que estão no topo do ranking são Montes Claros, com 66 casos da doença, São Francisco, com 27, e Janaúba, com 40.

A pesquisa intitulada “A Marcha da Covid-19 no território do Norte de Minas” faz parte do projeto Geografia da Saúde. A iniciativa consiste na produção de mapas e gráficos com a ocorrência da doença nos 89 municípios da região.

Ou seja, a marcha da doença atinge 38,2% da área estudada. A região representa 2,5% do total de casos registrados em Minas, e está na oitava colocação do Estado. Em óbitos, o Norte é o sexto, e São Francisco é a cidade com mais mortes: três.

Segundo o universitário Alexon Alves, que integra o grupo responsável pela pesquisa, o mapa permite visualizar a espacialização crescente dos casos dentro do Norte de Minas. Podendo ampliar a base de dados além do que dispõe a Secretaria de Estado de Saúde, porém, nem todos os municípios oferecem acesso fácil às informações oficiais.

“É necessário avaliar, também, se a população está sendo testada em cada localidade ou se há limitações na realização dos exames que, por enquanto, estão concentrados em Belo Horizonte”, acrescenta Alexon, que também é um dos responsáveis pela organização dos mapas.

Mesmo com os números mudando a cada dia, com a tendência de ascendência, o projeto da Unimontes considera que ainda é cedo para se associar a maior incidência nos municípios do Norte de Minas a alguma particularidade regional, como, por exemplo, se a migração que a população local realiza ou realizou foi fundamental para o crescimento de casos ou a influência do entroncamento rodoviário nacional que a região possui.
 
PRIMEIRO CASO
A base de dados para a elaboração dos mapas e dos gráficos são os relatórios oficiais divulgados periodicamente pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). Os mapas e gráficos organizados pela Unimontes são diários e começaram a ser produzidos em 7 de abril, logo após a confirmação dos três primeiros casos no Norte de Minas (Montes Claros e Janaúba).

Para se ter uma ideia da curva da Covid-19 na região, em 20 de abril o registro era de 13 casos (três mortes) e a doença havia avançado para mais quatro municípios (Espinosa, Monte Azul, Pirapora e Varzelândia).

“A Geografia passa a contribuir na identificação rápida da distribuição dos casos, especialmente através das pesquisas elaboradas com os recursos técnicos e estudos regionais”, pondera a professora doutora Iara Maria Costa da Silveira, coordenadora do projeto e responsável pela disciplina.