Produtores rurais mineiros já podem vacinar o rebanho de bovinos e bubalinos contra a febre aftosa. A segunda etapa anual da campanha segue até 30 de novembro.

Deverão ser imunizados bovinos e bubalinos com idade de zero a 24 meses. A expectativa é a de que cerca de 10 milhões de animais sejam vacinados em todo o Estado.

A campanha é realizada para preservar a sanidade dos rebanhos e manter a doença fora do Estado. A fiscalização de todo o processo é feita pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA).

O produtor pode comprovar a vacinação dos animais usando o formato eletrônico de declaração disponível no site www.ima.mg.gov.br ou, caso tenha cadastro, acessando o Portal de Serviços do Produtor.

Outra opção será o envio da declaração para o e-mail da unidade do IMA responsável pela jurisdição do município. O e-mail de cada unidade pode ser encontrado no site acima.

As declarações também podem ser realizadas pelo produtor de forma presencial nos postos de atendimento e conveniados ou presencialmente nos escritórios do IMA, observando as medidas de segurança para Covid-19.

O prazo para comprovar a vacinação termina em 10 de dezembro. Para facilitar a localização da propriedade, o IMA recomenda o envio do Cadastramento Ambiental Rural (CAR) no momento da declaração.

O produtor que não vacinar os animais estará sujeito a multa de 25 Unidades Fiscais do Estado de Minas Gerais (Ufemgs) por animal, o equivalente a R$ 98,60 por cabeça.

A declaração de vacinação também é obrigatória e o produtor que não o fizer até o prazo previsto poderá receber multa de 5 Ufemgs, o equivalente a R$ 19,72 por cabeça.
 
PARCERIA 
A parceria com os produtores é fundamental para que o Estado continue livre da febre aftosa.

“Contamos, mais uma vez, com o apoio e a dedicação dos elos da cadeia produtiva para que o nosso Estado alcance o índice de vacinação esperado. Peço o apoio dos produtores rurais mineiros, pois a vacinação é essencial para manter o rebanho de Minas sadio e livre de focos da doença. É muito importante cumprirmos o calendário oficial da vacinação”, destaca o diretor-geral do IMA, Thales Fernandes.

A primeira etapa da campanha realizada este ano atingiu o índice de 97,6% de bovinos e bubalinos vacinados contra a febre aftosa. Cerca de 355 mil produtores rurais imunizaram aproximadamente 24 milhões de animais nos rebanhos mineiros.

SAÚDE DO REBANHO
O fiscal do IMA Natanael Lamas lembra que a vacinação mantém a saúde do rebanho e o reconhecimento internacional de zona livre com vacinação, obtido pelo Estado junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). 

“Este status favorece o agronegócio e o acesso a mercados internacionais, contribuindo de forma significativa para o Produto Interno Bruto (PIB) mineiro”, destaca.

Ele alerta para que sejam realizados os procedimentos corretos de vacinação que garantem eficácia na imunização dos animais. “A vacina de 2 ml deve ser adquirida em estabelecimento credenciado para a revenda da vacina e deve ser conservada em temperatura entre 2 e 8 graus centígrados, do momento da compra até a vacinação dos animais. Recomenda-se também programar a aplicação para os horários mais frescos do dia”, orienta.
 
A DOENÇA
A febre aftosa é causada por um vírus, altamente contagioso e que pode gerar grandes prejuízos econômicos para os produtores, pois afeta o comércio internacional. 

“A doença é transmitida pela saliva, aftas, leite, sêmen, urina e fezes dos animais doentes, e também pela água, ar, objetos e ambientes contaminados. Uma vez doente, o animal pode apresentar febre, aftas na boca, lesões nas tetas e entre as unhas”, alerta.

*Com Agência Minas