Mais de 127 mil produtores rurais mineiros sofreram algum tipo de dano por causa das chuvas nas últimas semanas. O levantamento preliminar foi feito pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG). O estudo aponta que esta situação foi relatada em 416 municípios do Estado (48,7% do total).

Entre as cidades com estimativa de áreas afetadas, a produção de feijão 1ª safra foi a mais prejudicada, com 42,2% da área a ser colhida. As regiões Norte, Cerrado, Nordeste, Leste e Central foram as mais atingidas.

Já na produção de hortaliças, é estimado um comprometimento de 37% da área, principalmente nas regiões Nordeste, Leste e Central de Minas Gerais. A produção de milho (safra verão) tem uma estimativa de 23,3% de área afetada, com destaque para as regiões Norte, Nordeste e Central.

Até o momento, de acordo com a Emater, não houve impacto significativo na oferta de frutas e hortaliças na Ceasaminas para o mercado atacadista. Porém, em algumas praças da Ceasa no interior do Estado, houve redução de oferta de produtos como beterraba, mandioca, quiabo e mandioquinha-salsa comercializados nos mercados locais e regionais.

Nos bolsões verdes das regiões metropolitanas, onde se concentra a maior produção de folhosas, ainda há possibilidade de impacto no abastecimento por causa das condições climáticas. A Emater-MG lembra que, no período chuvoso, já é comum ocorrer a redução da área plantada nestes locais.

Há ainda alguns pontos de interdição em rodovias que podem prejudicar o escoamento de produtos como morango e batata, principalmente nas regiões Sul e Campo das Vertentes.

PECUÁRIA
Na pecuária leiteira, a estimativa da Emater mostra que, nos municípios prejudicados pelas chuvas, 21,4% da produção de leite deverá ser comprometida, principalmente nas regiões Nordeste, Leste e Central.

Uma pesquisa feita pelos técnicos da empresa com 96 laticínios no Estado indicou que, em média, a queda na captação de leite foi de 9%, principalmente pela dificuldade de deslocamento em algumas localidades.

Outras atividades que registram possibilidade de dano com as chuvas foram piscicultura (28,3%), avicultura caipira (23,7%), pecuária de corte (17,7%) e suinocultura caipira (15%).

“Desde o início das chuvas em dezembro, os técnicos da Emater-MG estão fazendo o levantamento dessas áreas afetadas e das estradas vicinais com problemas. Todas essas informações são encaminhadas ao governo do Estado e às prefeituras. Os dados contribuem na elaboração dos decretos municipais de emergência e na elaboração de ações emergenciais”, informa o diretor técnico da Emater-MG, Gelson Soares Lemes.

A Emater também está apoiando os produtores rurais no controle fitossanitário das lavouras, pois neste período de chuvas, aumenta a incidência de doenças fúngicas nas plantas, afirma o gestor.

*Com Agência Minas