Está cada vez mais difícil para os montes-clarenses ficarem em casa durante a pandemia do novo coronavírus. Um dos motivos é o calorão de até 42°C que assolou a cidade nos últimos dois meses e tem feito as pessoas procuraram rios e cachoeiras nas redondezas, já que os clubes e piscinas de condomínios não podem funcionar, seguindo as normas da prefeitura contra a Covid-19. 

Com a grande procura por lugares frescos e com água, o cuidado com afogamentos deve ser redobrado, principalmente com relação a crianças e pessoas embriagadas. De acordo com Corpo de Bombeiros de Montes Claros, de janeiro a agosto deste ano foram registradas 20 ocorrências – cinco a mais do que no mesmo período no ano passado. 

Mas as estatísticas devem subir porque o calor se intensificou em setembro. Somente no último fim de semana, os Bombeiros registraram três mortes por afogamento, duas delas em Montes Claros. Um adolescente de 13 anos se afogou no córrego Alcides Rabello e um homem perdeu a vida em um rio na comunidade de Pau d’Óleo. Em Pirapora, a tragédia foi no rio São Francisco. 

Também no último fim de semana, um vídeo chocou a população. Nas imagens, um grupo de amigos, aparentemente bêbados, volta de uma pescaria. Dois, então, decidem percorrer boa parte do trajeto nadando. Porém, um não consegue e desaparece nas águas. O fato ocorreu no domingo, em São Francisco. O corpo ainda não foi encontrado. Toda a tragédia foi filmada por um dos amigos da vítima.

O Corpo de Bombeiros recomenda que os frequentadores de rios, cachoeiras e lagos procurem locais conhecidos, que nadem sempre acompanhados por alguém e que não entrem na água depois do consumo de bebidas alcoólicas. Além disso, devem respeitar os avisos de perigo. 

De acordo com o cabo Morais, do Corpo de Bombeiros, tentar salvar a vítima sem o devido preparo não é recomendado, pois o momento é de muita tensão e desespero por parte de quem está se afogando. Isso leva, em muitos casos, ao óbito dos envolvidos. A dica é manter a calma e procurar ajuda para obter êxito diante dessa situação.

“O mais correto a se fazer quando se deparar com tal situação é acionar o serviço de emergência através do número 193. Porém, há alternativas que podem ajudar, como jogar uma corda, boia ou outro instrumento ao qual a vítima possa se agarrar. E sempre que for para esse tipo de lugar, use boia ou colete salva vidas”, ensina o bombeiro.