A falta de oxigênio para abastecer os hospitais do Norte de Minas tornou-se o maior entrave para a abertura de novos leitos de UTI para pacientes com Covid-19. O receio da falta do produto apresentado por alguns prefeitos na semana passada, e mostrado por O NORTE, vem se confirmando e ampliando pela região e pelo Estado.

Nesta quinta-feira (18), o governador Romeu Zema (Novo) admitiu que o Estado pode sofrer com a falta de oxigênio para pacientes com Covid-19 em alguns hospitais. O nível de estoque do insumo é baixo, mas ainda não há registro de desabastecimento, segundo o líder do Executivo estadual.

“O risco é maior nas cidades pequenas que têm hospitais e unidades de saúde onde são utilizados cilindros, e não o gás que fica em um grande tanque abastecido por um caminhão, como um posto de gasolina. Como esses cilindros duram três ou quatro horas, existe sim um risco de desabastecimento, mas nós tomamos todas as medidas para que isso seja regularizado o quanto antes. Temos um baixo nível de estoque, mas ainda não chegou a faltar”, disse Zema.

No Norte de Minas, os hospitais de Bocaiuva, Brasília de Minas, Coração de Jesus, Espinosa, Jaíba, Janaúba, Januária, Montes Claros, Pirapora, Salinas, Taiobeiras, Varzelândia e Manga registram escassez do insumo e risco de desabastecimento, de acordo com a Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (Amams).

“Hoje não é possível abrir mais nenhum leito. Existem hospitais privados com leitos, mas sem o oxigênio. E quem vende o produto não consegue atender a demanda. A preocupação é muito grande”, disse o presidente da Amams, Nílson Bispo, prefeito de Padre Carvalho.
 
CRESCENTE
E a situação só se agrava a cada dia. O número de casos não para de crescer. Em Montes Claros, o boletim epidemiológico divulgado nesta quinta-feira mostra que a cidade confirmou 320 novos casos de infecções pelo novo coronavírus em 24 horas. Com isso, o total de registros da Covid na cidade sobe para 22.921.

Nesse mesmo prazo foram confirmadas mais 12 mortes, aumentando para 413 o número de óbitos do município. Os hospitais da cidade reafirmaram, por meio de nota, que não há capacidade para receber novos pacientes suspeitos ou confirmados para Covid-19.

Em Pirapora, a escassez de oxigênio preocupa. “Ainda não está faltando, mas já estamos atentos para isso”, disse o secretário de Saúde, Rafael Lana.
 
APELO
O secretário de Saúde de Coração de Jesus, Guilherme Leal, afirma que dos dez leitos exclusivos para Covid, seis estão ocupados. “Graças a Deus, ainda não faltou oxigênio, mas é uma preocupação nossa a aquisição. O fornecedor está nos entregando duas vezes ao dia. Antes, a entrega era feita duas vezes por semana”, conta o secretário.

Em Janaúba, foram registradas quatro mortes nesta quinta-feira, totalizando 51 vítimas da Covid-19. Alarmado com a situação, o prefeito José Aparecido Mendes pediu a colaboração da população para manter as medidas de proteção. A multa para quem não cumprir as medidas, dentre elas o uso de máscara, varia de R$ 205 a R$ 10 mil.

Para o secretário de Saúde de Janaúba, Helvécio Albuquerque, se a população não colaborar com o isolamento social, não há leito que chegue para atender os pacientes. “Poderão se abrir quantos leitos forem, mas se não houver uma atitude proativa da sociedade, vamos abrir covas. Não vai adiantar botar 30, 50, 100 aparelhos, tantas usinas de oxigênio, se cada um não fizer a sua parte e a gente não impedir a forma central de evitar o colapso, que é cortar a cadeia de transmissibilidade do vírus. Alguém quer entrar para a fila do tubo? Alguém quer pensar se dessa fila vai conseguir sair? A vida está em nossas mãos, independentemente de credo, de religião, de torcida. Não existe um. Existe o todo. O distanciamento social é fundamental”, disse o secretário.