A pandemia e o aumento significativo dos negócios on-line fizeram com que o mercado de franchising também criasse mais modelos voltados ao e-commerce. Foi o caso da Orgânica Body & SPA, especializada em acessórios para banho e cosméticos veganos. 

Criada em 2019, a marca esperava chegar a 2020 com franquias em todo o país. Com a pandemia, contudo, viu alguns franqueados sofrendo com quiosques em shoppings fechados. Decidiu, então, reformatar-se, o que a levou a atrair mais clientes e chegar a 17 franqueados. 

“Criamos um modelo on-line em que o franqueado atua com uma loja virtual, promovendo as vendas dos produtos da rede. O franqueado não precisa de estoque, já que a empresa fica responsável por entregar os pedidos nas casas dos clientes”, destaca João Galhardi, CEO da marca.
 
BRINQUEDOS
Para dar continuidade aos empreendimentos, muitos franqueados se renderam mesmo ao “e-commerce” como forma de driblar dificuldades ocasionadas pelos sucessivos fechamentos das atividades comerciais.

Renata Ramos, dona de uma franquia de brinquedos em um shopping de Belo Horizonte, fez isso e se deu bem. Sem poder abrir a loja, ela viu nas redes sociais a saída para continuar com as vendas.

“Fortalecemos as nossas atuações nas redes sociais e conseguimos implementar o serviço de delivery, atendendo novos clientes que ganhamos na internet”, explica a empresária, que deixou a enfermagem para seguir no franchising em 2019.

Modelos de negócio virtuais ganham espaço
A pandemia e o aumento significativo dos negócios on-line fizeram com que o mercado de franchising também criasse mais modelos voltados ao e-commerce. Foi o caso da Orgânica Body & SPA, especializada em acessórios para banho e cosméticos veganos. 

Criada em 2019, a marca esperava chegar a 2020 com franquias em todo o país. Com a pandemia, contudo, viu alguns franqueados sofrendo com quiosques em shoppings fechados. Decidiu, então, reformatar-se, o que a levou a atrair mais clientes e chegar a 17 franqueados. 

“Criamos um modelo on-line em que o franqueado atua com uma loja virtual, promovendo as vendas dos produtos da rede. O franqueado não precisa de estoque, já que a empresa fica responsável por entregar os pedidos nas casas dos clientes”, destaca João Galhardi, CEO da marca.