Hoje é dia de o homem do campo aprender mais. A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) realiza nesta quarta-feira, às 14h30, um webinário sobre o pulgão do sorgo forrageiro no semiárido mineiro. O evento é on-line e gratuito, mas as vagas são limitadas. As inscrições ainda podem ser feitas pelo site da empresa.

De acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção do sorgo deve chegar a 783,3 mil toneladas até o final deste ano, o que representa um crescimento de 7,4% em relação à safra 2018/2019.

De acordo com a Epamig, o Norte de Minas é propício para o cultivo de sorgo, dadas as condições climáticas da região. A planta é tolerante à seca e às altas temperaturas. Contudo, o pulgão, uma das principais pragas nos cultivos de sorgo do país, pode se alastrar com facilidade em um curto período de tempo, danificando plantações inteiras e causando grandes prejuízos para os produtores.

“Os modos de combate ao pulgão do sorgo forrageiro serão discutidos por cinco profissionais da área, com moderação do pesquisador da Epamig Antônio Cláudio da Costa. Na mesa on-line, estarão presentes a pesquisadora da Epamig Leidy Rufino, a pesquisadora da Embrapa Simone Martins Mendes, o coordenador regional de Bovinocultura da Emater-MG em Janaúba, Osmar Neto, e os professores da Unimontes Ignácio Aspiazú e Carlos Juliano Albuquerque”, pontua o coordenador do evento, Antônio Cláudio da Costa. 
 
VERSATILIDADE
O sorgo é uma planta de origem africana bastante conhecida por sua utilização na alimentação animal, sobretudo de bovinos, na forma de feno ou de silagem. Além disso, os grãos de sorgo também são utilizados como uma matéria-prima versátil na fabricação de produtos alimentícios para os seres humanos. O pulgão amarelo é o mais comum de se encontrar no semiárido mineiro.