O assassinato brutal de George Floyd desencadeou uma onda de protestos nos Estados Unidos, que tem levado milhares de manifestantes para as ruas todos os dias num levante contra o racismo batizado de “Black Lives Matter”, que numa tradução literal significa Vidas Negras Importam. E assim como aconteceu com a pandemia da Covid-19 (que segue provocando vítimas em todo o mundo, principalmente nos EUA), o movimento sensibilizou diversas empresas que, novamente adiaram suas agendas. Mas, dessa vez, não por uma questão sanitária, mas por respeito e indignação.

Hoje seria o dia em que a Sony faria uma conferência para apresentar os games que estarão no catálogo do PS5, que chega no fim do ano. O novo console da marca japonesa é um dos produtos mais aguardados do ano, assim como o Xbox Series X, que também abre a nova geração da Microsoft. 

No entanto, a Sony resolveu adiar o evento, pois afirma que há assuntos mais importantes que seu produto. Em nota, a empresa diz que: “Sabemos que gamers do mundo todo estão animados para ver os jogos no PS5, mas achamos que agora não é momento para celebração, e por enquanto, queremos dar espaço para vozes mais importantes serem ouvidas”.
 
SEM CLIMA
Outra gigante da tecnologia também adiou a apresentação de um novo produto, que estava agendado para ontem. O Google apresentaria o Android 11, nova versão de seus sistema operacional para dispositivos móveis. No entanto, no dia 30 de maio comunicou que adiaria o lançamento. Também pelas redes sociais, na conta do Android, no Twitter, a empresa postou a seguinte mensagem: “Estamos felizes em contar mais sobre o Android 11, mas agora não é hora de comemorar. Estamos adiando o evento de 3 de junho e a versão beta. Voltaremos com mais informações sobre o Android 11 em breve”.

Ontem, na conta oficial do Google, a empresa anunciou um ato de silêncio de toda sua equipe por 8 minutos e 46 segundos, em referência ao período em que o policial Derek Chauvin, que responderá por homicídio culposo, se manteve ajoelhado sobre o pescoço de Floyd. 

A empresa ainda anunciou que destinará US$ 12 milhões (R$ 61 milhões) para financiar entidades que combatem a desigualdade social. 
 
SEM JOGO
A Capcom, estúdio famoso por games como “Street Fighter”, “Mega Man” e “Resident Evil” também anunciou que adiará o torneio Capcom Pro Tour, que teria início neste fim de semana. Em nota, a empresa diz que: “Na Capcom, apoiamos as comunidades negras e todos que lutam por igualdade e contra o racismo. Entendemos que existem vozes maiores e mais importantes que merecem e precisam ser ouvidas agora, e os holofotes pertencem a elas”.

Que fique o exemplo.