Dizem que cozinhar para alguém é um ato de amor. Mais significativo ainda se a aventura entre as panelas acontecer numa data especial. Que tal aproveitar o Dia das Mães, daqui a exatamente uma semana, para assumir o papel de cozinheiro (ou cozinheira) e brindar a matriarca com um almoço ou jantar fácil de preparar, mas super saboroso? 

A sugestão de cardápio é dos chefs Cidinha Lamounier e Jackson Cabral. A professora e o coordenador do curso de Gastronomia das Faculdades Promove elaboraram receitas práticas, que podem ser feitas com ingredientes que todo mundo tem em casa ou encontrados com facilidade em qualquer supermercado. Afinal, em tempos de isolamento social, a palavra de ordem é praticidade.

 

 

Do lado dos pratos principais, a influência foi a culinária mineira da qual Cidinha é fã. Para a entrada, a sugestão é uma adaptação da italiana salada caprese, que leva queijo Minas no lugar da mussarela fresca. A proteína é uma suculenta carne de panela, digamos, mais refinada, com molho de tomate e vinho. Nada complicado! “Quarenta a 50 minutos na pressão depois de dourar bem. E o molho, se não tiver caseiro, pode ser comprado pronto”, adianta a chef, que ensina um macete. 

“Quem quiser deixar a marinada por 24 horas com azeite, ervas e um pouco do vinho, vai ter uma carne mais macia”, ensina a cozinheira, que completa o menu com o brasileiríssimo arroz à grega. Mais fácil, impossível!

 

Clássico repaginado

Para arrematar o banquete e adoçar a vida, Jackson sugere uma reinterpretação do clássico brigadeiro. Tradicional docinho brasileiro, que, reza a lenda, teria sido criado há mais de 50 anos, a iguaria é quase unanimidade entre quem não dispensa a sobremesa. Na versão adaptada pelo chef de cozinha, a delícia ganha um toque especial de farinha de amêndoas. 

Combinado ao cacau 100% – mais intenso que o chocolate ao leite –, o ingrediente, que pode ser comprado pronto ou feito com a matéria-prima triturada, confere mais sabor e uma cara nova ao doce. “Um detalhe simples, mas faz toda diferença. Também dá para usar castanha de caju, do Pará ou até nozes”, diz Jackson, adiantando que até quem nunca foi para a cozinha pode se aventurar a prepará-lo. “Grau de dificuldade de 2 a 5 (numa classificação que vai até dez), dependendo do tipo de fogão da pessoa ou do ingrediente que for escolhido”.

Confira as receitas abaixo e, no vídeo, dicas dos chefs, para não fazer feio na cozinha! E, se puder, fique em casa! Bom apetite!