O sonho do Cruzeiro em retornar à Série A do Campeonato Brasileiro praticamente acabou nesta edição da Segundona – matematicamente é questão de tempo para isso acontecer –, algo que os jogadores celestes já deixaram explícito várias vezes.

Por outro lado, a ameaça do rebaixamento permanece viva. Restando seis rodadas para o fim da competição, a Raposa se vê obrigada a secar adversários da parte de baixo.

Obviamente, o time estrelado só depende dele para não cair. Mas o fato é que a pressão pode aumentar. Antes de entrar em campo diante do Sampaio Corrêa, na próxima sexta-feira, às 21h30, no Castelão, em São Luís, a equipe comandada por Luiz Felipe Scolari já vai estar sabendo dos resultados de alguns concorrentes diretos na luta contra a degola.

No mesmo dia, às 19h15, o CRB, 14º colocado, recebe o Confiança, no Rei Pelé, em Maceió. Os alagoanos possuem 40 pontos, um a menos que o Cruzeiro, e, se vencerem, ultrapassam os celestes, provisoriamente (a Raposa teria que bater o Sampaio Corrêa, mais tarde, para voltar a estar à frente).

No mesmo horário, Náutico, 17°, com 35 pontos, e Paraná, 18°, com 33, fazem o duelo dos desesperados, no Estádios dos Aflitos, no Recife. Se o Timbu ganhar, se aproxima do time azul e branco (novamente, até o fim da partida dos comandados de Felipão).

Já às 21h30, no instante em que o Cruzeiro entrar no gramado do Castelão, o Figueirense vai encarar o CSA, no Orlando Scarpelli, em Florianópolis. Os catarinenses somam 35 pontos, na 16ª posição.

Outro adversário na briga contra o descenso, o Vitória, 15°, com 37 pontos, joga no próximo sábado, às 19h, contra o líder América, no Independência.

No melhor dos cenários, o Cruzeiro pode chegar a 44 pontos, aumentar para nove a diferença para a zona de rebaixamento e estar muito perto de se garantir na Série B. No pior, ficaria a três do Z-4, isso ao fim da 33ª rodada.
 
NÚMEROS
Segundo o site Probabilidades no Futebol, mantido pelo Departamento de Matemática da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o Cruzeiro tem apenas 0,39% de chances de rebaixamento.

Se chegar aos 44 pontos, são de apenas 20% as chances de queda à Série C, isso ainda sem o complemento da 33ª rodada.

O sonho do acesso se resume a 0,32% de chances. Para a UFMG, com menos de 59 pontos isso é praticamente impossível. Para alcançar essa marca, como tem 41 pontos e ainda joga seis vezes, a Raposa precisará de 100% de aproveitamento.

Nesta Série B, a maior sequência de vitórias foi nas três primeiras rodadas. Ela precisa ser dobrada na reta final para o time de Felipão não só sonhar, mas evitar passar todo o ano do centenário na Segunda Divisão.