Quando o relógio apontar o primeiro minuto de sábado (14), o técnico Jorge Sampaoli completará 250 dias como funcionário do Atlético, contabilizando a partir da apresentação na Cidade do Galo. Pela frente, o comandante argentino terá a missão de derrotar o Corinthians na Neo Química Arena e seguir na luta pelo título do Campeonato Brasileiro, que bateu na trave em 2019, quando ele treinava o Santos.

Com 11 reforços atendidos pela diretoria e outros muitos que deixaram o clube neste período, além de ter encarado os problemas trazidos pela pandemia do novo coronavírus (paralisação do futebol, estádios com portões fechados, crise financeira, etc.), o argentino devolveu o “DNA Ofensivo” ao Atlético.

De 9 de março (dada da apresentação oficial) até aqui, foram 27 jogos disputados pelo clube mineiro. Com Sampaoli, o Galo conquistou 17 vitórias, empatou três partidas e perdeu outras seis; o aproveitamento é de 66,6%. O time marcou 51 gols e sofreu outros 27.

Campeão mineiro, o argentino agora tem a missão de evitar que o jejum de título no Brasileirão complete 50 anos. O primeiro e único caneco do alvinegro na competição mais importante do país veio em 1971.

‘Eleição’ entra em pauta da diretoria
Finalmente, o presidente do Atlético, Sérgio Sette Câmara, deve falar se concorrerá ou não à reeleição no clube, no pleito marcado para o meio de dezembro. 

Hoje, o atual mandatário do alvinegro concederá entrevista coletiva, presencial, na sede do clube, no bairro de Lourdes, em Belo Horizonte.

Acompanhado de Lásaro Cândido, atual vice-presidente, que já deixou claro que não fará parte do pleito, Sette anunciará qual será sua situação. 

Nos bastidores, se fala em certeza de que ele também ficará de fora da chapa apoiada por Rubens Menin, Ricardo Guimarães e Henrique Salvador.(H.A.)