Foram 186 jogos como zagueiro, uma senhora coleção de partidas decisivas, como as finais da Copa do Brasil de 1993 e 1996, vencidas pela Raposa, e tantas outras conquistas, vide a Libertadores de 1997. Apesar de tantos feitos sob o manto azul e branco na década de 1990, Célio Lúcio se vê agora frente a frente com aquele que é considerado por ele mesmo como seu maior desafio profissional. 

“O jogo mais importante da minha vida é sexta-feira agora, contra o Juventude (às 21h30, no Mineirão). É uma final para nós nesta sexta, e nos preparamos muito bem. Tomara Deus que possamos colocar em prática o que fizemos nos treinos. Um momento superimportante para nós. Uma oportunidade única, e estou preparado”, destacou o técnico interino do time que é penúltimo colocado da Série B do Brasileiro.

Com apenas 12 pontos em 15 rodadas disputadas, o Cruzeiro pode deixar a zona de rebaixamento nesta sexta (16). Para isso, precisa superar seu adversário e contar com tropeços de Botafogo-SP (para o América, também na sexta) e Figueirense (contra o Brasil de Pelotas, no sábado). Segundo Célio Lúcio, o mais importante é a Raposa fazer sua parte.

“Tentamos colocar algumas ideias do que pensamos. Estamos preparados. Fiz algumas mudanças (na equipe), esperamos colocar em prática o que realmente fizemos nos treinos. É fortalecer também a parte psicológica dos atletas. Precisamos de alegria, entusiasmo e muita vibração para conseguir as vitórias”, disse o treinador interino.

Após passar quase uma semana em Atibaia, demitir o técnico Ney Franco e ficar no empate sem gols com o Oeste, o Cruzeiro busca a reabilitação para aliviar um pouco a pressão e dar uma resposta à torcida.

“Temos que vivenciar o jogo a todo o tempo, do início ao fim, buscar o resultado e competir. A Série B tem mostrado que é uma competição diferente, de entrega e determinação. Tem que competir primeiro para buscar a vitória”, afirmou Célio Lúcio.