Faltam apenas dois dias. A contagem regressiva par o primeiro dia de provas do Enem 2021 deixa os candidatos apreensivos e ansiosos. É hora de testar os conhecimentos e brigar por uma vaga no ensino superior. Para quem precisa se sair bem na prova, aí vai uma dica: não se apegar a questão temática e entender que o importante é saber enxergar a prova e compreender que aquele tema que será cobrado vem de algum eixo temático.

“Por exemplo, o aluno não deve estudar o repertório que aborde alcoolismo, ele deve estudar repertório que aborde o tema saúde, porque quando ele faz isto, ele consegue trabalhar qualquer tema que seja extraído deste eixo”, afirma o professor de português e redação Carlos Cavalcante.

Para ele, a estratégia que o aluno tem que ter é trabalhar o estudo por eixos temáticos e nunca pela aposta por delimitação temática.

“Assim, ele recarrega essa bagagem de repertórios e tem mais tranquilidade para desenvolver sobre qualquer tema que seja cobrado”, aconselha.

A estudante Alexia Colares, de 19 anos, que vai fazer o Enem pela segunda vez, espera que as mudanças feitas neste ano sirvam para diminuir as diferenças entre os candidatos. Porém, ela lamenta os problemas dentro da equipe responsável pelo Enem, que resultou na saída de 29 funcionários na última semana.

“Todo dia a gente vê que chegam notícias que nos entristecem, como aquelas pessoas que saíram dos empregos e que eram responsáveis pelo exame. E pelas dificuldades de definirem datas”, afirma Alexia. Mesmo assim, ela conta que está confiante. “Na estrada da vida ganha quem nunca desistiu”, ressalta.

A respeito das mudanças, o professor Carlos diz que vieram para alinhar e esclarecer aos critérios de correção. E, por isso, os alunos não devem se preocupar. “Às vezes, um corretor avaliava de uma forma e outro de outra forma. Então, as seis alterações vieram para ajustar e alinhar os critérios de correção aos corretores”.
 
ALTERAÇÕES
Para Carlos, essas mudanças não alteram a linha de estudo dos candidatos, mas há duas modificadas mais significativas. “Duas situações que antes eram consideradas detalhamento da solução, hoje não serão mais considerados: o uso de orações subordinadas como detalhamento da ação e a segunda é o uso de adjunto adverbial de lugar”, explica.

O professor ressalta que o aluno deve pegar todas as palavras-chaves do tema e levar para o texto da redação, o que é chamado “foco temático”. “O aluo não pode deixar de levar as palavras temáticas, senão, irá caracterizar fuga ao tema, e fuga é zero na redação”, alerta. 

Já a supervisora pedagógica do Colégio Indyu, Isabel Christina Rabelo, diz que a instituição está preparada para receber os alunos com todos os cuidados estabelecidos pelo Ministério da Saúde.

“A gente segue com toda estrutura adequada, bem como com os protocolos de segurança, preparação da equipe e coordenação para uma aplicação de responsabilidade e excelência”, afirma.