Após mais de um ano acompanhando as aulas pelo computador, em casa, alunos do ensino fundamental da rede privada de Montes Claros voltaram nesta segunda-feira para a escola. Um retorno ainda pequeno, que vai acontecer de forma gradual, já que o decreto municipal impôs uma limitação: apenas 35% de cada turma pode frequentar o espaço. 

Para o Sindicato das Escolas Particulares de Montes Claros (Sinepe/MOC), a adesão de professores e dos alunos foi muito boa. “A adesão foi excelente. Não tivemos relato de faltas de professores. Os alunos estão comparecendo dentro do limite autorizado. Está conforme o esperado. A limitação em 35% dos alunos favorece aqueles que preferem aguardar o retorno integral”, afirma Élio Soares Ribeiro, presidente do Sinepe.

Ele ressalta que o retorno foi cuidadosamente preparado e que não há motivo para os pais se preocuparem. “As escolas estão atentas para o cumprimento do decreto, com especial cuidado para a prevenção e efetivo retorno seguro”, diz o gestor.

“Eu senti confiança na escola. Assim que eles chegaram, receberam um kit com máscara, álcool e capacete. Foi muito importante a escola ter disponibilizado esse kit, que nos trouxe mais tranquilidade. Estamos lidando com filhos com idade de transição para a adolescência e eles precisam deste convívio. A Clara está ciente dos cuidados e acredito que será possível mantê-los”, diz Carolina Almeida Nascimento, mãe da adolescente de 12 anos.

Já com os filhos menores, matriculados em escola pública, ela não sente a mesma segurança. “É difícil, há situações que os professores não podem controlar. Pode até acontecer de uma ou outra criança querer trocar máscara por achar bonita a do coleguinha. Enfim, são situações possíveis. Prefiro aguardar o momento mais adequado”, afirma Carolina. As aulas nas escolas públicas municipais têm retorno programado para o próximo dia 24.

Gabrielle Mourão vivencia a situação de ambos os lados. É diretora administrativa do Colégio Indyu e mãe de aluna. A filha Lavínia retornou à sala de aula nesta segunda-feira, e Gabrielle está tranquila.

“Retornamos as aulas presenciais do ensino fundamental seguindo todos os protocolos da OMS. Os alunos se comportaram de maneira assertiva, mantendo o distanciamento e respeitando as novas regras. Os professores estão se adaptando ao novo estilo, pois estão há mais de um ano longe das salas de aula”, pontua a diretora. 

Gabrielle Mourão destaca que a retomada causa um pouco de ansiedade nos professores, porque eles ainda não foram vacinados. Ela afirma, no entanto, que a escola está preparada para dar esse suporte. “Essa adaptação será gradativa, mas seguimos firmes, afinal, cuidar de um é cuidar de todos”.

A supervisora pedagógica Isabel Rabelo diz que o espaço facilitou o cumprimento das medidas. “Não tivemos nenhuma dificuldade. Já estávamos preparados para esse retorno com protocolos e contamos com uma estrutura que permite o distanciamento entre os estudantes em todos os espaços do colégio, evitando qualquer tipo de aglomeração por onde eles circularem. Essa situação exige de todos nós, pais, alunos e colaboradores, atenção, cuidado e zelo com os envolvidos”, destaca.

As aulas dos ensinos médio e técnico retornam a partir de 10 de maio.