Projetos inovadores foram apresentados por acadêmicos do 10º período do curso de Fisioterapia da Funorte, a uma banca de avaliadores e a colegas do 9º ano e alunos do ensino médio, na Feira de Empreendedorismo da Escola Estadual Felício Pereira de Araújo, na última terça (18).

Entre as dez equipes que expuseram seus projetos à apreciação, a vencedora foi “Help Bengala”, seguida pela “Aparelho Ajustar” e, por último, “Equipe Fisiobella”.

O professor de Empreendedorismo do curso, responsável pelo projeto, Marcus Gonçalves Caldeira, explicou que foi desenvolvido um evento de gestão com os alunos e uma banca avaliadora composta por professores convidados foi montada. “Os avaliadores analisaram os trabalhos quanto ao produto, à ideia do negócio, à apresentação, à ideia e à postura profissional”, detalhou.

“O principal objetivo desse trabalho é estimular os alunos a empreenderem na carreira e na vida e assim fazer com que eles pensem também que podem ser empresários e formar seu próprio negócio, a partir das ideias desses projetos envolvidos na disciplina”, contou Caldeira.

O evento foi realizado em uma escola, segundo o professor, para que houvesse uma aproximação entre a academia das comunidades e das instituições de ensino médio.

Para o professor responsável, o objetivo foi atingido com êxito. “Já era esperado que os alunos preparassem bem, as ideias são muito criativas, a forma como eles se apresentaram também foi muito positiva, então, já podemos avaliar o resultado desse trabalho com muito sucesso. Tenho certeza de que o objetivo foi atingido”, afirmou.

Para Charles Gutemberg, diretor da Escola Estadual Felício Pereira Araújo, o evento permitiu o contato da faculdade com a escola. “O intuito disso é trazer conhecimento e despertar interesse nos alunos pelo estudo, pela pesquisa e outras atividades, estreitar os laços com a faculdade, que é sempre uma melhoria para a instituição de ensino. E nós sabemos que o ensino superior tem um nível mais profundo, mais amplo, diferente do ensino médio”, frisou o diretor.

Bruno Garcia, coordenador do Centro de Empreendedorismo e Inovação (CEI) da Funorte disse que gosta muito desses eventos, porque acabam levando os meninos para o mundo empreendedor e para um contato com o mercado quando se formarem. “São temáticas abordadas que, às vezes, não desenvolvemos dentro de sala de aula. Assim, eles acabam tendo que ter competências de negociação e pensamento crítico de avaliação do mercado e de entender a necessidade dos clientes”, destaca Bruno.

José Bernardo Cardoso Freitas, um dos acadêmicos da equipe vencedora, explicou que o projeto consiste em uma bengala totalmente sustentável, com baixo custo benefício, para atender a comunidade. “Nós utilizamos materiais de baixo custo, como cano PVC, visando idosos de comunidades carentes, aqueles pacientes com deficiência que não têm condições de comprar uma bengala de boa qualidade, que é cara”, revelou. Segundo o estudante, a equipe pensou em fazer o produto de materiais recicláveis e de qualidade. Ficou seguro e barato, para quem precisa. O acadêmico acredita que a bengala é algo em que se pode investir, pois é importante para os idosos com menos condições financeiras.