Economia

“Inflação do aluguel” fecha 2022 em alta

IGP-M sobe 0,45% em dezembro, mas ficou abaixo do esperado

Larissa Durães
Publicado em 31/12/2022 às 00:59.
IGP-M fechou o ano com alta de 5,45%, divulgou a FGV (ELISA COLOMBO)

IGP-M fechou o ano com alta de 5,45%, divulgou a FGV (ELISA COLOMBO)

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) subiu 0,45% em dezembro, após queda de 0,56% em novembro, e com isso o indicador conhecido como “inflação do aluguel” fechou o ano com alta de 5,45%. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (29) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Apesar da aceleração de novembro para dezembro, o resultado ficou abaixo do consenso Refinitiv (o mercado projetava uma alta de 0,54%) e também de dezembro de 2021 (quando a alta foi de 0,87% e a inflação acumulada em 12 meses era de 17,78%).

O IGP-M é chamado de “inflação do aluguel” por ser usado como indexador para reajustar contratos de locação. O Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) calcula os preços ao produtor, ao consumidor e na construção civil entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

Para uma gestora de uma imobiliária em Montes Claros, Fernanda Correia Machado, o índice serve para quando o contrato do imóvel já está feito, a pessoa já está no contrato, “e depois de um ano de contrato realizado e pagando o valor que foi negociado, aí vem um valor diferente, que é o valor do índice”, explica. Porque, de acordo com ela, no contrato de locação se usa o IGP-M (índice geral de preço de Mercado), “por ser mais conhecido e seguro”. 

“Se as imobiliárias vão alugar mais ou menos, não tem nada a ver com IGP-M”, porque para Fernanda, quando uma pessoa entra em um imóvel, já existe um valor definido.  

“Então, o IGP-M, não afeta este fato”. Só irá interferir, sempre de acordo com ela, depois de um ano. “Se o valor no contrato foi de mil reais, depois de um ano vai aumentar de acordo com o IGP-M, então se hoje foi ofertado por mil, vai continuar por mil. Independente se o IGP-M foi alto ou baixo”, explica. 

Economia que ajuda

Sobre a baixa ou alta do IGP-M, Fernanda diz que o reajuste deste índice é anual, então se, uma pessoa aluga em dezembro um imóvel, somente no dezembro do próximo ano é que irá verificar o acumulado que será colocado no valor do aluguel, “se foi, 10% ou 30%, em janeiro se paga o valor reajustado. Lógico que este reajuste impacta, porque no anual, pode aumentar ou abaixar, então o mensal impacta nesse sentindo, mas pegamos é o anual para o reajuste”, informa. E este reajuste, Fernanda explica que vai de acordo com a inflação. 

“As pessoas devem entender que existe diferenças do imóvel, quando se entra nele, de quando está para alugar e o imóvel quando já está alugado. Logico que se, se negocia um valor vai ser um valor menor e isso afeta quando se vai entrar em um imóvel, porque depois, tem o reajuste do IGP-M. Então, mais baixo se paga o aluguel, menos se sofre com o reajuste”, avisa. 

Para quem tem que viver de aluguel, não é nada fácil estes reajustes. Como é o caso da jornalista Cristini Antonini, que explica que em dez anos de aluguel, percebeu que sempre aumentou, nunca ficou estagnado ou diminuiu. Entretanto, admite também que o aumento de dezembro de 2022, foi menor que o de dezembro de 2021. 

“Sempre teve o reajuste, mais este ano foi menor que do ano passado. Na outra virada de ano, aumentou R$ 120 e agora foi R$ 77 reais”, conta. Cristini diz que quando alugou da primeira vez, pediu um desconto. 

“Consegui economizar R$ 200 reais, isso ajudou para compensar estes reajustes”, conclui.

Compartilhar
Logotipo O NorteLogotipo O Norte
E-MAIL:jornalismo@onorte.net
ENDEREÇO:Rua Justino CâmaraCentro - Montes Claros - MGCEP: 39400-010
O Norte© Copyright 2023Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por