Sempre quando o tio retornava do trabalho, Henrique Frederico da Cruz ouvia dele histórias fantásticas sobre ter ido ao Castelo de Grayskull e encontrado o príncipe Adam, o Gato Guerreiro ou o supervilão Esqueleto. “Eu sempre acreditava. Quando ele saía para o trabalho, ficava na expectativa dessas histórias”, conta o hoje jornalista e fã de He-Man.

O herói que animava as manhãs televisivas empunhando uma espada e bradando, no ápice das aventuras, “Pelos poderes de Grayskull! Eu tenho a força!”, está completando quatro décadas. A data não vai passar em branco, com lançamento de bonecos originais pela Mattel e duas novas séries de animação para a Netflix.

“É muito bom ver este retorno de He-Man. Apesar de terem muita ação, os desenhos não eram violentos, podendo ser vistos por qualquer idade. Ao final de cada capítulo, os personagens sempre davam um conselho baseado na história”, lembra Henrique, que tinha 5 anos quando acompanhou os primeiros episódios. 

Não por acaso, um dos primeiros bonecos que Henrique ganhou na vida foi um do He-Man. “Acabei perdendo ele depois, mas, já adulto, consegui achar um igualzinho ao que tinha”, assinala. Ele comemora o lançamento dos bonecos com design retrô, já que os antigos vendidos na internet têm preços exorbitantes.
 
DESENHOS 
As duas novas séries de animação devem chegar ainda neste ano à telinha. A que gera mais expectativa é “Master of Universe: Revelation”, com detalhes não revelados sobre os poderes de He-Man. Na dublagem original, a voz de Esqueleto é feita por Mark Hamill, o cavaleiro jedi Luke Skywalker da franquia “Star Wars”.

E não está descartada a possibilidade de um segundo longa-metragem. O primeiro foi lançado em 1987, com Dolph Lundgren (o vilão russo de Rocky Balboa) como protagonista. Apesar de hoje estar na grade de programação do Telecine Cult, é uma espécie de ficção científica de quinta categoria.

Os bonecos de He-Man foram lançados em 1981, mas foram apresentados pela primeira vez aos chefões da Mattel no final de 1980, pelo designer de brinquedos Roger Sweet. Mais tarde, ele revelou, em livro, inspirações no bárbaro Conan e também vikings, perceptíveis no estilo e na vestimenta de He-Man.

A animação lançada em 1983 foi importante para redefinir a história do personagem, como o fato de ter uma identidade secreta, como o príncipe Adam.

Assim como vem acontecendo agora, a Mattel tentou, na década de 90, despertar novamente o interesse pela linha de brinquedos e lançou “The New Adventures of He-Man”.