O Conservatório Estadual de Música Lorenzo Fernandes (Celf) é uma referência na formação de músicos em Montes Claros. Tem uma história consolidada e leva o nome da cidade aos quatro cantos do mundo. Um dos talentos formados pelo Celf é o pianista Carmerindo Miranda, que celebra 27 anos de história com a música e ainda faz parte da equipe do conservatório.

“Foi através desta escola que escolhi me tornar músico e professor de música. Comecei, permaneço e, com muita resiliência e humildade, pretendo deixar um pouco do meu legado artístico nesta escola, única, da qual tenho tanto prazer em fazer parte como professor e pianista correpetidor”, conta.

Nascido em Montalvânia, no extremo Norte de Minas, o músico mora em Montes Claros há 28 anos. Durante a pandemia, com a suspensão das aulas e apresentações presenciais, Carmerindo teve que adequar a forma de trabalho para atender os alunos de forma remota.

“Como pianista, tive que gravar dezenas e dezenas de músicas de inúmeros compositores para acompanhamento de diversas áreas da escola. Além das muitas lives em 2020 e 2021. Um desafio no qual aprendi a tocar uma ‘nova’ música: a música da pandemia”, diz.
 
INSTRUMENTOS
Dedicado ao piano, Carmerindo já arriscou a tocar outros instrumentos, mas sem muito sucesso por causa da exclusiva dedicação. “É um instrumento um tanto desafiador! Atualmente, estou de bem com ele, pois adquiri uma leitura musical considerável ao longo da carreira, necessária para o meu trabalho como correpetidor. Nossa história começou aos 12 anos, quando iniciei os estudos ao piano, por volta de 1995, no Celf. Lá se vão quase 30 anos e ainda, orgulhosamente, continuo lá... Devo isso ao meu pai, sensível músico autodidata”, conta.

Em todos esses anos de carreira, o músico realizou diversos trabalhos como pianista e tecladista. Destaque para as parcerias com a Orquestra Sinfônica de Montes Claros, várias faculdades, festivais de corais e música para eventos. 

“Outro grande ofício que me dá muito prazer é preparar alunos para concursos de pianos pelo Brasil afora”, revela.
 
DESAFIOS
Os próximos desafios, segundo Carmerindo Miranda, são continuar fazendo o que gosta, adquirir um espaço enquanto músico performático e educador e manter a saúde mental, espiritual e física. “Me ocupo com a linda família que tenho, além de outro grande hobby, as orquídeas”.

Quanto aos ensinamentos que a pandemia tem trazido a todos, ele diz que tem tirado várias lições. “Primeiramente, valorizar mais a vida humana. Certamente hoje ‘estou’ uma pessoa bem melhor com relação ao outro. Paralelamente ao vírus, temos a obrigação de mudar”, diz.

SAIBA MAIS
Concurso vai revelar novos talentos mineiros

E para quem é apaixonado por música e quer construir uma carreira, o “Voz de Minas” é a grande oportunidade de apresentar seu talento. O concurso é voltado para pessoas de todo o Estado. Para participar é preciso ter 18 anos completos, ler o regulamento do festival (funorte.edu.br), concordar com as regras e enviar um e-mail para raquelmunizoficial@gmail.com até o dia 16 de agosto. Mais informações: (38) 98405-9400.

Premiação: R$ 5 mil para o primeiro lugar e a gravação de um clipe e quatro horas de estúdio para gravação de trabalho autoral; R$ 3 mil ao segundo lugar; e R$ 1 mil ao terceiro colocado.