A biógrafa e jornalista Holly George-Warren não tem dúvidas: a música de Janis Joplin atravessa gerações ainda de uma maneira muito forte, meio século depois da morte dela por overdose de heroína, em 4 de outubro de 1970. Era o auge da carreira da artista, então com 27 anos.

“O trabalho dela resiste ao teste do tempo, com sua intensa paixão e vocais singulares. Janis quebrou as barreiras para artistas femininas”, assinala a biógrafa americana, que acaba de lançar o livro “Janis Joplin: Sua Vida, Sua Música”. No Brasil, a publicação está saindo pela editora Seoman.

No livro, Holly destaca a figura complexa da cantora, nome fundamental do rock que pautou a curta trajetória por transgressões, quebras de paradigmas e frustrações amorosas e familiares. Ela desafiou as convenções de gênero, abrindo caminho para as mulheres poderem extravasar as dores e a revolta.

“Ela podia ser muito otimista, alegre e feroz. E também podia ser tímida, introvertida e quieta. Estar no palco trouxe à tona seu lado extrovertido. No geral, era uma artista ambiciosa que trabalhou muito para se tornar a grande cantora que era”, analisa a escritora, que assinou outros 16 livros sobre música.
 
VANGUARDISTA 
Para registrar a vida da cantora nascida em Port Arthur, no Texas, Holly recorreu a familiares, amigos, colegas de banda, além de ter pesquisado em arquivos, diários, cartas e entrevistas há muito perdidas. O resultado da obra é a imagem da roqueira como uma vanguardista musical.

Nomes como Patti Smith, Debbie Harry (do grupo Blondie), Cyndi Lauper, Chrissie Hynde (The Pretenders), Kate Pierson (B-52’s) e Ann e Nancy Wilson (Heart), que se dizem influenciadas por Janis, dificilmente teriam conquistado o mesmo caminho sem ter na voz rouca e rebelde um farol para lutar contra o machismo.

O livro, como não poderia deixar de ser, relata a passagem de Janis pelo Brasil, em fevereiro de 1970. A história da artista por aqui não foi menos chamativa, tendo sido expulsa do Copacabana Palace Hotel por nadar nua na piscina e pago multa por fazer topless na praia. “Foi uma das épocas mais felizes de sua vida. Ela amava o povo brasileiro, a sua música e dança”.