Após quatro adiamentos, em função da pandemia do novo coronavírus, está aberta a temporada do Comida di Buteco em Montes Claros. O concurso acontece neste ano de forma híbrida, ou seja, quem não quiser frequentar o bar participante pode pedir o prato concorrente para ser entregue em casa ou retirado no próprio estabelecimento. Neste ano, são 17 botecos na disputa pelo título.

A 21ª edição do evento começou nesta sexta-feira e segue até 22 de agosto. Além da novidade do delivery, o concurso realiza o movimento “Salve os Butecos!”.

O objetivo é gerar fluxo de caixa para que os bares possam se reerguer. Quem quiser pode fazer doações em espécie ou de produtos.

A meta é arrecadar R$ 3 milhões entre julho e agosto e dividir igualmente entre os botecos participantes do concurso. Toda a campanha poderá ser acompanhada pelo site do CdB, onde se encontram as informações de como contribuir.

Nesta edição, O NORTE traz imagens de sete pratos competidores. Na próxima semana mostraremos os demais.

Concurso é esperança de bons negócios
Campeão da edição de 2019, o Carrancas Mercado entra com força total neste ano, com um prato que faz homenagem ao rio São Francisco. 

“Nosso prato este ano foi inspirado nas margens do rio São Francisco, onde minha avó morava. A gente comia essa carne de sol bem seca da dianteira do boi. Ela é cozida, empanamos na cerveja, fritamos e vem acompanhada de uma molho de origem indiana junto com batata doce chips e cará. Um prato para mostrar vários aromas e gostos e tentar representar Montes Claros no cenário nacional novamente”, explica Guilherme Jansen de Souza, proprietário do Carrancas Mercado.

O bar foi o campeão de 2019 em Montes Claros, campeão mineiro e terceiro lugar nacional. “A expectativa para este ano é entrar com toda força. Entramos com a responsabilidade ímpar de poder mostrar a comida di buteco”, diz Guilherme. O prato vencedor de 2019 foi o “Carrancostela”. Em segundo lugar ficou o petisco “Cê ta doooido!!!”, do Ana Terra Gastrobar. E, em terceiro, “20 anos de buteco é osso”, do Thom Bar.
 
RETOMADA
Para Guilherme, o evento vem para ajudar os bares a recuperar os prejuízos gerados pela pandemia. “Mais de um ano e meio com a pandemia e passamos muito aperto. Ainda não voltamos ao normal. Os bares não são a primeira necessidade das pessoas, então, o Comida di Buteco vem, com grande parte da população brasileira vacinada, reativar e salvar os botecos. E a expectativa maior é a de que, quando acabar esse campeonato, nós estejamos, quem sabe, voltando à normalidade que era antes”, espera Guilherme.