Veículos de luxo apreendidos após a prisão do traficante Waldemilson Oliveira dos Santos, de 35 anos, lotaram ontem o pátio da IIª Região Integrada de Segurança Pública, em Montes Claros. A frota é avaliada em cerca de R$ 2 milhões e era, segundo a polícia, uma das maneiras usadas por Waldemilson para lavar dinheiro do tráfico de drogas. Ele afirma ser empresário. 

O homem foi preso na última terça-feira e apresentado ontem pela Polícia Civil. Ele é suspeito de integrar o Primeiro Comando da Capital (PCC), em São Paulo, uma das maiores organizações criminosas do país, e de comandar a distribuição de drogas, principalmente cocaína, no Norte de Minas.

Ele foi detido em uma mansão, no Pampulha Tênis, um residencial de luxo próximo ao aeroporto. Com o criminoso foram apreendidos oito veículos de luxo, como Porsche, Range Rover e uma Hillux, todos em nome de terceiros.

Segundo informações levantadas pela Polícia Civil, o patrimônio de Waldemilson ultrapassaria R$ 2 milhões em veículos e o mesmo montante em imóveis. 

“Seu tipo de comportamento não deixa dúvida de que é um membro do PCC, embora alegue que seja empresário”, disse o titular da Narcóticos, delegado Erivelton Ruas.
 
INVESTIGAÇÕES
O criminoso começou a ser investigado em janeiro deste ano, principalmente por causa da ostentação. As apurações da Delegacia de Narcóticos, comandadas pelo delegado Erivelton Ruas Santana, com o apoio de mais três delegados – o chefe de Departamento, Renato Nunes Henriques; o coordenador de Inteligência, Bruno Rezende da Silveira; e do delegado Regional, Jurandir Rodrigues César Filho –, apontam que ele possa ser na atualidade o maior distribuidor de cocaína de todo o Norte de Minas, responsável por 85% da droga consumida na região.

De acordo com a Polícia Civil, desde ontem a instituição já trabalhava para pedir à Justiça a indisponibilidade dos bens do preso, pois as equipes têm 30 dias para concluir as investigações.

A prisão de ontem no bairro Jaraguá mobilizou forte aparato da Polícia Civil. Em depoimento, segundo o delegado Erivelton Ruas, Waldemilson confirmou que mudou para Montes Claros há quatro anos.

“Desde o início comprando e reformando imóveis e veículos para lavar o dinheiro obtido com o tráfico de drogas”, afirma o delegado. Contra ele, existe um mandado de prisão expedido pela Justiça de São Paulo, “referente ao crime de tráfico de drogas, por ter sido flagrado no final de 2015 em um sítio com 250 tabletes de cocaína”.

Segundo o delegado Regional, Jurandir Rodrigues César Filho, o traficante, que está na Delegacia Antidrogas da Polícia Civil em Montes Claros, deve ser rapidamente transferido para a Penitenciária de Segurança Máxima de Francisco Sá. “Mas a nossa intenção é que ele seja o mais rápido possível recambiado para São Paulo”.

Jurandir Rodrigues salientou que só obtiveram êxito na operação com a troca de informações entre as diversas delegacias que compõem a Polícia Civil, especialmente o serviço de inteligência.
 
MOVIMENTAÇÃO
O delegado Renato Nunes Henriques disse que a Polícia Civil não sabe precisar quanto seria a movimentação do traficante com a distribuição da droga no Norte de Minas. “Mas diante dos últimos acontecimentos registrados em Minas ligados ao PCC e devido à alta periculosidade, resolvemos efetuar a prisão. A partir dela, vamos desenvolver ainda mais a investigação, até porque precisamos saber em quais veículos e quem transportava essa droga”.

Nesta semana, um criminoso ligado ao PCC foi preso quando tentava tirar carteira de identidade falsa em Montes Claros. “Nosso trabalho agora é verificar se existe ligação com o traficante, disse Erivelton Ruas”.