A Delegacia da Mulher instaurou inquérito, ontem, para investigar uma denúncia de abuso sexual supostamente ocorrido na Câmara de Vereadores de Montes Claros. Segundo a Delegada Karine Maia, o suspeito é funcionário da Casa e teria cometido o abuso contra uma de suas subordinadas 

“Ela estava sozinha na sala onde os dois trabalham, quando o homem chegou. A vítima conta que o suspeito aproveitou a oportunidade para perguntar se ela havia sentido falta dele e, em seguida, passou por trás dela. Neste momento, a vítima pensou que ele pegaria um café, mas foi agarrada”, disse.

O inquérito deverá ser concluído em 30 dias. Segundo a delegada, caso os indícios se confirmem, o suspeito pode responder inquérito por estupro, com pena prevista de 6 a 10 anos de reclusão. 

Em nota, o presidente da Câmara Municipal, vereador Cláudio Prates, informou que todas as medidas necessárias foram tomadas para averiguação do fato, e que foi instaurada Comissão Interna, formada por servidores efetivos da Casa, para apuração. Informou ainda que o funcionário foi afastado de suas atividades.

Em contato com a reportagem, o homem negou e afirmou ser vítima de perseguição. “Não procede essa informação neste nível. Estou sendo vítima de perseguição política. Até mesmo por ter assumido cargo de chefia. Minha própria história na Câmara atesta meu comportamento”, disse.