Armas de fogo e munições apreendidas no Estado, a partir de 8 de janeiro de 2018, não serão mais armazenadas nos tribunais mineiros. Elas ficarão sob a responsabilidade da Polícia Civil, guardadas em delegacias. A mudança, segundo desembargadores, busca aumentar a segurança nos fóruns.

A medida foi votada na última quarta-feira pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Atualmente, o armamento recolhido pelas polícias fica à disposição do Judiciário até que o processo seja julgado. Em seguida, é encaminhado para o Exército, onde, geralmente, é destruído.

Segundo o desembargador Wanderley Paiva, um dos 25 magistrados que votaram a favor da alteração, a mudança visa impedir ataques de bandidos aos fóruns. “É para trazer mais segurança para todo mundo que circula nesses locais. Temos casos concretos de arrombamentos para o roubo de armas”, disse.

Apesar de o TJMG não ter divulgado a quantidade de armas armazenadas nos fóruns, Paiva garante que gira em torno de 100 mil. Elas vão desde réplicas e artefatos feitos manualmente até fuzis e munições antiaéreas de uso exclusivo do Exército.

De janeiro a agosto deste ano, foram apreendidas 12.134 armas de fogo em Minas.