Curtir o verão ostentando um corpo sarado e uma barriga literalmente negativa é sonho de consumo de muita gente. Mas recorrer a tratamentos estéticos ou até a cirurgia plástica para alcançar o abdômen perfeito nem sempre está ao alcance de todos. Popularizada nas redes sociais por famosas em recuperação da forma física no pós-parto, uma técnica belga vem se apresentando no Brasil como promessa democrática para o “tanquinho” dos sonhos.

LPF, da sigla Low Pressure Fitness, algo como ginástica de baixa pressão, no português, é uma combinação entre técnica hipopressiva, respirações do yoga e exercícios de Reeducação Postural Global (RPG). Embaixadora do método no Brasil, a educadora física Carol Lemes esclarece que a atividade não reduz o percentual de gordura, apenas reorganiza o corpo e, desta forma, enxuga medidas.

“O LPF diminui a pressão interna sobre a cavidade abdominal. Quando a pessoa solta ar, inspira, faz apneia, abre as costelas e traciona as vísceras, coloca os órgãos para cima, de onde nunca deveriam ter saído”, detalha a especialista em educação postural e biomecânica. 

Além de mudar a aparência do abdômen – prometendo reduzir até 12 centímetros de cintura em apenas três meses –, a técnica melhora o tônus basal e tonifica a musculatura até mesmo quando o praticante está relaxado. “Por isso digo que é uma reprogramação corporal”, completa Carol Lemes. 
 
50 POSTURAS
Com aulas divididas em níveis e realizadas ao menos três vezes por semana, o LPF tem mais de 50 posturas, que variam quanto à posição do aluno (em pé, ereto ou curvado, sentado ou deitado), a contratura muscular, o tempo de apneia e a sucção abdominal. 

Ao contrário do que se imagina ao ver as fotos dos treinos, a aspiração diafragmática – que gera o vácuo e, portanto, a barriga negativa – é o menos importante, garante Carol Lemes. “O método só vem para potencializar os efeitos da aspiração, logo, só traz benefício se o aluno estiver na postura correta”, esclarece.

Sem acompanhamento de um profissional ou orientação, o efeito pode ser, inclusive, contrário: aumentando a pressão arterial devido à respiração incorreta e uso de força ao invés de técnica. Além disso, o relaxamento abdominal inadequado pode levar ao aumento da pressão intra-abdominal, gerando diástase (afastamento dos músculos) e até flacidez. 

As aulas de LPF têm duração de 30 minutos e são realizadas em academias ou com profissionais licenciados pelo LPF Brasil. Geralmente, acontecem duas a três vezes por semana e custam a partir de R$ 100. Além da prática coletiva, é recomendado que o aluno faça a “manutenção” do método em casa, diariamente, por cinco minutos. “Parece fácil, mas é um trabalho que age nas fibras vermelhas (lentas) dos músculos”, reforça.