Um estudo epidemio-lógico feito pelo Ministério da Saúde em parceria com o Hospital Moinhos de Vento, de Porto Alegre, concluiu que mais da metade dos jovens brasileiros entre 16 e 25 anos estão infectados com o HPV. O vírus está relacionado praticamente a 100% dos casos de câncer de colo do útero, um dos tipos de câncer mais comuns na população feminina.

Os pesquisadores entrevistaram 7.586 pessoas e 2.669 foram submetidas ao teste de HPV. Com os exames, a prevalência estimada do vírus foi de 54,6 % da população. Deste grupo, 38,4 % apresentam tipos de HPV de alto risco para o desenvolvimento de câncer.

O estudo mostrou ainda que 16,1% dos jovens têm alguma doença sexualmente transmissível (DST) prévia ou resultado positivo para HIV ou sífilis.

Ainda segundo a pesquisa, a capital com a maior taxa de prevalência de HPV é Salvador (BA), com 71,9% da população infectada, seguida por Palmas (TO) (61,8%), Cuiabá (MT) (61,5%) e Macapá (61,3%) (AP). 

Com menor prevalên-cia está Recife (PE), com índice de 41,2%. A cidade de São Paulo está próxima do índice nacional com taxa de 52%. Já os municípios de Brasília (DF), Campo Grande (MS) e Belo Horizonte (MG) não informaram dados suficientes para que a estimativa fosse concluída.

Segundo o Ministério da Saúde, é a primeira vez que um estudo estima a prevalência do vírus na população brasileira. Os dados são importantes para medir o impacto da imunização daqui a alguns anos. 

A vacina contra o HPV está disponível para meninas de 9 a 15 anos e garotos de 11 a 14. 

Embora o imunizante seja gratuito e esteja disponível em todos os postos de saúde do País, o governo federal tem tido dificuldades de alcançar a cobertura vacinal ideal. Nos últimos anos, a taxa de adesão tem ficado em 50%. A meta, para ambos os sexos na adolescência, é 80%.