Quinze municípios do Norte de Minas vão receber cerca de R$ 587 mil do Ministério da Saúde para aprimorar qualidade e estrutura dos serviços farmacêuticos das unidades de saúde. Em todo o Estado serão 50 cidades, com investimento de R$ 1,9 milhão, previsto no Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica no âmbito do Sistema Único de Saúde (Qualifar-SUS).

As cidades de Santa Cruz de Salinas, Miravânia e Ponto Chique vão receber R$ 25,2 mil cada uma; Verdelândia, Curral de dentro, Ibiracatu e Pintópolis serão agraciadas com R$ 29,1 mil cada uma. 

São João da Ponte, Buritizeiro, Coração de Jesus, Porteirinha, Brasília de Minas e Várzea da Palma receberão R$ 45,6 mil cada, enquanto São Francisco e Januária terão os maiores aportes: R$ 60,8 mil por cidade. 
 
OBJETIVO
Segundo o Ministério da Saúde, o recurso incentiva o processo de aprimoramento, implemen-tação e integração sistê-mica das atividades da Assistência Farmacêutica nas ações e serviços de saúde. O objetivo é dar mais agilidade no atendimento à população e uma melhor organização dos estoques de medicamentos. A destinação foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) do último dia 2. 
 
AÇÕES 
O Qualifar-SUS está organizado em quatro eixos (estrutura, educação, informação e cuidado). O programa engloba desde investimentos na estruturação dos serviços farmacêuticos até ações de cuidado ao usuário. Atualmente, o programa possui 2.211 municípios habilitados nas cinco regiões do país, que já receberam o recurso no momento da adesão. 

Em 15 de dezembro de 2017 o Ministério da Saúde liberou mais cerca de R$ 11 milhões para outros 327 municípios do país para estruturação do Qualifar-SUS. A ampliação no investimento e no aprimoramento da informa-tização é um dos principais objetivos do Ministério da Saúde. A estratégia de qualificar os serviços de saúde integra o conjunto de investimentos já realizados por meio do outros Projetos de Qualificação da Assistência Farmacêutica. 

Em janeiro, a pasta anunciou a criação do Programa Cuidados Farmacêuticos. Projeto piloto, que terá início em São Paulo, Bahia e Distrito Federal, beneficiará pacientes portadores de hepatite e artrite reumatoide com orientações e acompanhamento sobre uso racional de medicamentos.