A Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Montes Claros reforçou, junto aos municípios que integram a sua área de atuação, a necessidade de incremento do trabalho de vacinação da população contra a febre amarela. A iniciativa toma como base a análise da cobertura vacinal atualizada dia 15 deste mês. Dos 53 municípios da área de abrangência da Regional, 36 estão com percentual de cobertura vacinal inferior a 95%. O Norte de Minas tem três casos suspeitos da doença em investigação. 

A coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e de Saúde do Trabalhador da SRS, Josianne Dias Gusmão, alerta que o aumento da cobertura vacinal contra a febre amarela é fator primordial para evitar que pessoas sejam acometidas pela doença. Para isso, a Regional dispõe de vacinas em estoque e, caso haja necessidade, a Secretaria de Estado da Saúde terá condições de suprir as demandas dos municípios.

Entre outras orientações, a regional de saúde enviou aos municípios propostas de atividades que podem ser adotadas para o alcance da meta de cobertura vacinal. Também foi encaminhada a análise da cobertura atualizada até o final da primeira quinzena de fevereiro, o que possibilita aos gestores municipais avaliar de forma detalhada a situação de cada localidade.

A SES recomenda que a intensificação da vacinação contra a febre amarela seja implementada pelos municípios adotando algumas ações para melhoria da cobertura vacinal. Entre as medidas que podem ser adotadas estão: ampliação do horário de funcionamento das salas de vacina, realização de vacinação de casa em casa, escolas, universidades e locais de trabalho, realização de mais um dia de “D” de mobilização no município utilizando sábados e domingos, para alertar a população para a necessidade de vacinação contra a febre amarela.

A SES também recomenda aos municípios a busca ativa de pessoas não vacinadas, o monitoramento rápido de cobertura vacinal para a febre amarela e o envolvimento dos profissionais da atenção primária em saúde em todas as ações, com participação dos agentes comunitários de saúde.

Outra recomendação é para que os municípios estabeleçam parcerias com outras instituições públicas e privadas, conselhos de classe e de saúde do trabalhador para incremento da vacinação, além da inserção de dados no Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SIPNI) sobre as doses de vacinas aplicadas. 

(Agência Minas)

Imunização

Cidades com índice de cobertura vacinal abaixo dos 95% na região de Montes Claros:

Berizal (74%); Bocaiúva (88%); Botumirim (86%); Cap. Enéas (78%); Claro dos Poções (83%); Cor. de Jesus (74%); Cristália (88%); Espinosa (75%); F. Dumont (89%); Francisco Sá (69%); Fruta de Leite (77%); Grão Mogol (77%); Indaiabira (79%); Itacambira (79%); Jaíba (79,92%); Janaúba (77,4%); Joaquim Felício (75%); Lagoa dos Patos (62%); Matias Cardoso (86%); Mato Verde (68%); Montes Claros (82%); Montezuma (82%); Ninheira (84%); Nova Porteirinha (64%); Novorizonte (68%); Olhos D´Água (89,%); Pai Pedro (63%); Porteirinha (76%); Rio Pardo de Minas (78%); Rubelita (62%); Salinas (81%); Santa Cruz de Salinas (82%); São João do Paraíso (89%); Serranópolis de Minas (88%); Taiobeiras (84%) e Verdelândia (73%).


Minas lidera registros
O Brasil já registrou neste ano 541 casos de febre amarela, com 163 mortes. O maior número de notificações está em Minas Gerais, Estado que há dez anos foi incluído na região de recomendação de vacina, mas, apesar disso, ainda apresenta uma grande parte da população desprotegida contra a doença.

Cidades mineiras contabilizaram 264 ocorrências, com 77 óbitos. Em seguida está São Paulo, com 208 casos e 57 mortes. Já o Rio de Janeiro tem 72 pacientes com a infecção confirmada e 29 mortes.

Apesar do avanço da doença, ainda é baixa a adesão da população às campanhas de vacinação. Dados preliminares mostram que apenas 25,2% do público alvo foi imunizado em Rio e São Paulo, Estados que iniciaram dia 25 um esforço para vacinar população em áreas consideradas vulneráveis à doença. 

A Bahia iniciou a campanha em oito municípios nesta segunda-feira, 19. A recomendação para que os três Estados mantenham a campanha até que a cobertura ideal seja atingida.