Para cada disciplina tradicional, um estudo de caso aplicado. O curso de odontologia das Faculdades Promove, em Belo Horizonte, previsto para começar em fevereiro de 2018, terá como diferencial uma metodologia que busca atender aos critérios estabelecidos pelo Mercosul. O objetivo é garantir o selo de qualidade de ensino do bloco econômico da América do Sul.

O coordenador da graduação, Natanael Aleva, participou de uma capacitação para se tornar avaliador de cursos de odontologia em países do Mercosul. O processo garante a qualidade dos cursos internacionalmente. O professor destaca que o currículo do Promove integrará o ensino teórico tradicional com os estudos de caso, em que alunos identificam e vivenciam situações aplicadas ao dia a dia do dentista.

“O aluno verá não só o conteúdo, mas será capaz de entender, profissionalmente, porque está aprendendo aquilo. Ao fim de cada semestre, teremos uma matéria para integrar tudo o que foi visto no período. É importante para que o estudante saiba que conhecimento não é estanque, separado. Ele está sempre correlacionado”, explica Natanael, que também é diretor-acadêmico das Faculdades Promove.
 
SUPERVISÃO
O curso será oferecido, inicialmente, na unidade do bairro São Lucas, na capital mineira, onde funcionam os laboratórios. No local, será montada uma clínica de odontologia para que os estudantes prestem atendimento gratuito à comunidade, supervisionados por professores mestres e doutores. 

“A clínica permitirá o principal contato do aluno com os pacientes. É com a mão na massa que eles aprenderão a lidar com o dia a dia da profissão e a realizar atendimentos de qualidade”, afirma Natanael Aleva.

O aprendizado também ultrapassará os limites da universidade. Ao longo do curso, os estudantes farão atendimentos por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) em unidades básicas, postos, equipes de saúde da família e hospitais. Além disso, os alunos serão preparados para atender no setor privado, em clínicas e consultórios.

“A graduação oferecerá aos alunos a maior diversidade possível de disciplinas para que ele seja um profissional generalista e consiga exercer a odontologia de forma plena, mesmo sem uma especialização”, acrescenta o coordenador da graduação.