O vereador Valcir Soares (PTB) cobra agilidade da prefeitura e da MCTrans para resolver problemas relacionados ao Transporte Especial para Deficientes, o Transpecial. Ele enviou ofício ao chefe do Executivo pedindo uma definição nos próximos 15 dias. O prazo, de acordo com o vereador, está na Lei Orgânica e caso o prefeito Humberto Souto não aponte um caminho, deverá responder judicialmente pelo prejuízo.

“Não podemos mais esperar. As pessoas já aguardaram tempo demais para regularizar o agendamento e outras situações pontuais que estão se arrastando. O senhor prefeito tem que dar respostas à população”, diz Soares. 

O documento pede agendamento fixo para estudantes que precisam diariamente do serviço, uma linha de telefone extra para receber os pedidos, além de aumento da frota de veículos e auxiliar dentro de cada carro.

“O auxiliar está na lei, mas a MCTrans alega que não consta na planilha e, por isso, não tem essa pessoa”, explica o vereador. Criado por meio da lei 3.580, o serviço tem 898 cadastrados e serve diariamente, em média, a 130 pessoas. Os poucos usuários que conseguem agendar o serviço reclamam das condições dos carros e do trajeto que nem sempre é cumprido.

“Moro no Interlagos e a minha rua não tem asfalto. Tenho 70 anos e uma filha deficiente de 42. O motorista falou que recebeu ordem para não entrar em rua sem asfalto”, diz Armênia Silva.

O presidente da MCtrans, José Wilson Guimarães, negou a proibição de tráfego em vias sem asfalto. Ele informou que será feita licitação em outubro para aumentar a frota e disse que é impossível fazer agendamento diário porque há outros setores com mais prioridade, como o de saúde.