O enfrentamento à pobreza no campo, o reforço estrutural do transporte escolar e a implantação de sistemas de irrigação são algumas das ações resultantes de demandas colhidas nas rodadas dos Fóruns Regionais, realizadas nos últimos três anos pelo Governo de Minas.

Desde abril, encontros gerenciais dos colegiados executivos vêm acontecendo nas diversas regiões do Estado para apresentar o balanço das entregas das obras executadas.

“Estamos voltando (nos territórios) para prestar contas, mostrar o que fizemos, o que ainda falta e ouvir quais seriam as novas prioridades”, ressalta o secretário de Estado de Planejamento e Gestão, Helvécio Magalhães.

A pauta das reuniões inclui também o acompanhamento das solicitações levantadas por meio de diagnóstico territorial. “É importante que o colegiado saiba o que está sendo feito no seu território e no seu município”, afirma o subsecretário dos Fóruns Regionais de Governo, Fernando Tadeu David. 
 
INVESTIMENTO
O governo do Estado investiu cerca de R$ 315 milhões no programa no período de 2016 a 2018. Estão sendo executadas 42 ações, envolvendo o incentivo ao desenvolvimento econômico e social dos territórios de abrangência. São políticas públicas de acesso a serviços, inclusão produtiva, obras de infraestrutura e acesso à terra.

Entre as atividades de destaque estão as da Secretaria de Estado da Educação (SEE), como a entrega de 280 ônibus para o transporte escolar e o atendimento de mais de 18 mil alunos na Educação Integral nas escolas do campo.

Na lista estão ainda os mais de 15 mil domicílios rurais contemplados com ligações elétricas, um investimento de cerca de R$ 182 milhões da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig).

Outras 6,7 mil famílias em extrema pobreza foram beneficiadas com assistência técnica da Emater/MG e da Secretaria de Desenvolvimento Agrário (Seda) e com o desenvolvimento de projeto produtivo, no âmbito do Brasil sem Miséria.

Já o programa Leite pela Vida, da Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Sedinor), entregou cerca de 19 milhões de litros de leite a entidades de assistência social dos cinco territórios.

Outra ação em andamento é a implantação de sistemas simplificados de água em 757 domicílios de sete comunidades rurais, uma parceria entre a Emater/MG e a Sedese.

Acesso à terra está entre ações
Nos cinco territórios inseridos na estratégia de combate à pobreza, mais de duas mil famílias receberam o título de propriedade da terra.

Na mesma linha de enfrentamento da pobreza, está sendo executado o projeto Sementes Presentes. O objetivo é proporcionar segurança alimentar, geração de trabalho e renda aos agricultores e produtores, principalmente os inscritos no Cadastro Único – CadÚnico.

O projeto inclui também a organização das escolas estaduais para a compra de alimentos do agricultor familiar e, para isso, foram investidos cerca de R$ 26,5 milhões do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). A iniciativa envolveu 750 escolas e a capacitação, pelo Sebrae/MG e SEE, de 1,5 mil gestores da educação.

Em relação à distribuição de sementes foram investidos mais de R$ 2 milhões nos últimos três anos. A ação, realizada pela Emater/MG e pelo Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Idene), está em andamento e tem como meta atender 50 mil famílias em situação de alta vulnerabilidade alimentar.

Já foram entregues as sementes de milho, sorgo e feijão e, neste mês, serão entregues as de hortaliças. 

No fim do ano serão distribuídas sementes para mais 40 mil famílias.

SAIBA MAIS
Ferramentas de gestão

Durante os encontros, são utilizadas plataformas de consulta interna para mostrar aos membros do colegiado as ações do governo. Uma das ferramentas, criada pela Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), contém a lista das obras e realizações de todas as secretarias, empresas, fundações e instituições estaduais, inclusive com informações por território e por município.
Um exemplo é o programa Novos Encontros, uma das principais iniciativas do Governo do Estado para o enfrentamento à pobreza no campo. Nos encontros, o colegiado pode acompanhar o que tem sido feito nos 229 municípios incluídos na estratégia.