O MDB de Montes Claros recebeu ontem os dois pré-candidatos ao governo de Minas pela legenda: o vice-governador Antônio Andrade e o presidente da Assembleia de Minas, Adalclever Lopes –que oficialmente se apresentou como postulante à vaga. Apesar dos dois nomes e de uma especulação sobre possível racha dentro da legenda, a direção garante que o partido segue unido. 

“Estamos aqui com um único objetivo: o de demonstrar a decisão do partido de ter candidato próprio ao governo do Estado nas próximas eleições. Um partido do tamanho do MDB não pode se furtar a essa missão”, declarou o presidente da legenda na cidade, o deputado Tadeu Martins Leite.

Sobre a possível divisão interna, o presidente da Assembleia garantiu que não existe. “Não há nenhuma rusga, tanto que estamos aqui juntos”, ressaltou, enfatizando que a candidatura do partido é a mais viável. “Até pelo apoio dos deputados, pois a maioria está conosco”, disse Adalclever.

“Somos o partido com maior capilaridade e sentimos a necessidade de ter candidatura própria. Isso foi decidido com todos pelo interior. Só aqui neste espaço hoje somos quase 2 milhões de votos”, afirmou o parlamentar, referindo-se ao apoio de deputados que estiveram na comitiva, como Newton Cardoso Junior, acompanhado do pai, o ex-governador Newton Cardoso, que avalizou a candidatura de Adalclever.

“Respeito profundamente os dois. Se Antônio Andrade for escolhido, estarei do lado dele. Mas tenho um compromisso antigo com o Adalclever”, afirmou Newton.

Ao contrário de Andrade, que rompeu oficialmente com o governo do PT, o presidente da Assembleia de Minas assegura que ainda há uma boa relação com o partido do governador Fernando Pimentel. Sobre a decisão de aceitar o pedido de impeachment do governador, Adalclever destacou que está na mesa o terceiro requerimento. “Os outros foram arquivados porque não havia pressupostos legais”.

Antônio Andrade mantém firme a pré-candidatura, mas reitera a unidade do partido. “Quem decide o futuro são os filiados, os delegados. Até o momento estamos conversando e podemos ter acordo, se não tivermos, até a convenção decidiremos”, declarou.

Os pré-candidatos afirmaram que há conversações com outros partidos para as composições, mas lembraram que um quadro mais definido, só mais adiante.