Comerciantes da região do Trevo da Real fizeram manifestação para cobrar da prefeitura uma resposta sobre as intervenções no local. A obra, orçada em R$ 273 mil e prevista para ser concluída em 90 dias, começou há cerca de 50 dias e caminha a passos lentos. Comerciantes alegam que o prejuízo provocado pela ausência de clientes já provocou queda de 80% nas vendas.

“Estamos sendo lesados. Empresas fechando, funcionários demitidos, porque não temos como pagar, e os boletos estão atrasados. No começo da obra o prejuízo era de 50%, agora o prejuízo já aumentou. Esperamos que com esse ato a obra seja concluída o mais rápido possível”, diz o comerciante Rogério Macedo. 

Para ele, os operários poderiam realizar o serviço no fim de semana, quando a movimentação é menor, mas a falta de organização e planejamento da prefeitura, diz ele, é responsável pelos transtornos. Outra grande preocupação é com os alunos da Escola Levi Durães, que ao saírem da escola tem dificuldade para atravessar a rua e ficam expostos ao perigo. “Os agentes de trânsito não aparecem aqui pra ajudar”, reclama o comerciante. 

“A obra é ‘tartaruga’ como a administração. Já procuramos a prefeitura e não existe ninguém pra dar uma resposta. Meu posto já parou 70% (da movimentação). O prefeito deveria vir aqui e explicar o que está acontecendo. Nós pagamos impostos”, diz Francisco Guimarães, proprietário de um posto de combustível na região.
 
PERIGO
Com a avenida interditada, o trânsito de veículos, em sua maioria pesados, foi desviado para a Rua Joaquim Bispo do Amaral, o que também irritou os moradores. 

“Estamos morrendo na poeira. O tráfego na porta de casa é absurdo. Eu bati o carro ao tentar entrar na minha garagem. Está todo mundo insatisfeito com a lentidão da obra e já fizemos abaixo-assinado pedindo pra acelerar o serviço”, reclama Almerindo Reis, morador da rua.
 
EXPLICAÇÃO
O vereador Edmílson Magalhães defende a realização da obra, mas admite que não houve planejamento. “A gente não pode concordar com isso. Não estou contra os comerciantes. Sou solidário a eles e tenho cobrado da prefeitura constantemente. Acreditamos que será concluída nos próximos 30 dias”. 

O Norte entrou em contato com o secretário de Planejamento, mas até o fechamento da edição não houve retorno. Já o Presidente da MCTrans, alegou que diariamente envia agentes de trânsito para o local e que a situação relatada pelo comerciante será averiguada.