A realização de missões internacionais têm elevado a gastronomia mineira a novos patamares. Por meio da iniciativa, promovida pela Agência de Promoção de Investimento e Comércio Exterior (Indi), a culinária tem sido projetada em outros países, facilitando a exportação de produtos.

A ação integra o programa +Gastronomia, do governo do Estado, e é dividida em duas etapas. Uma delas foca feiras e rodadas de negócios. A outra, jantares onde os chefs é que estão em evidência.

Quem participa das expedições no exterior aprova o projeto. É o caso de Davi Charbel, que em 2017 levou o Café Salomão, de Manhuaçu, na Zona da Mata mineira, para a Ásia e Europa. 

Sócio-proprietário do empreendimento cafeicultor, ele participou das missões internacionais organizadas pelo Indi que levaram empresários da gastronomia, produtores de bebidas e alimentos, além de chefs de cozinha, para duas das maiores feiras do ramo no mundo: Sial, na China, e Anuga, na Alemanha.

Charbel apresentou cafés especiais com o intuito de exportar o produto com valor agregado. “Foram viagens frutíferas, pois nos colocaram em contato com grandes importadores de alimentos e bebidas. A função do Indi, como ponte, é facilitadora para negociações, uma vez que a instância do poder público é como uma chancela da qualidade dos nossos produtos”, ressalta.

Para o empreendedor, o processo de internacionalização das empresas é difícil, especialmente para as do porte pequeno e médio. A missão, segundo Davi Charbel, abre as portas para quem pretende exportar. 
 
CADEIA PRODUTIVA 
Diretora-presidente do Indi, Cristiane Amaral acrescenta que a cadeia produtiva por trás da gastronomia de Minas Gerais é uma fonte de emprego e renda. “E orgulho para todos os mineiros”, complementa. 

Segundo Cristiane, as ações são articuladas sempre em contato com o grupo coordenador do +Gastronomia e com a Frente da Gastronomia Mineira. “Compõem um coletivo de empresários, chefs e apoiadores da gastronomia mineira que trabalham de forma voluntária e organizada em prol de uma das nossas maiores preciosidades”.

Lançado em maio do ano passado pelo governador Fernando Pimentel, o +Gastronomia busca fomentar a cadeia produtiva da culinária em Minas, reconhecendo-a como setor estratégico para o desenvolvimento sustentável do território. As ações são desenvolvidas pelo Estado em parceria com a sociedade civil.

Além da geração de emprego e renda, o programa se pauta pela preservação das tradições gastronômicas, pelo reforço da identidade local e do senso de comunidade e pela busca da sustentabilidade socioeconômica e ambiental.

Fomento local
Para fomentar a gastronomia em Minas, a Codemge tem lançado editais de incentivo ao setor. 

Já em sua quarta edição, um dos certames destinou R$ 1,5 milhão a festivais de culinária, com o apoio a 12 eventos nos cinco territórios gastronômicos mineiros (Cerrado, Central, Espinhaço, Mantiqueira e Rios).

Já o edital apoio a food trucks irá distribuir R$ 450 mil entre 25 desses empreendimentos. Ao todo, 37 propostas serão contempladas e quase R$ 2 milhões direcionados ao setor. A nova modalidade apoia pequenos empreendedores de um formato que tem ganhado cada vez mais espaço entre os consumidores.